Período Helenístico: os reis Selêucidas (‘os reis do Norte’) e Ptolomaicos (‘os reis do Sul’), como foi revelado ao profeta Daniel; as Guerras Púnicas e as Guerras Sírias. Conheça a vida dos personagens para poder identificá-los com a profecia de Dn 11: 1-45 e intrepretá-la.


Selêucidas e Ptolomeus




É importante se lembrar da presença de Deus sobre a história da humanidade, movendo reinos e nações segundo a Sua vontade, e o quanto Ele deseja revelar Seus planos aos verdadeiros profetas para que nós possamos ouvir Sua voz, ver a nós mesmos através da vida desses personagens e aprender com eles para não repetirmos os mesmos erros.

O período Helenístico (333-167 AC)

Em 333 AC os exércitos persas concentrados na Macedônia sob o comando de Dario III foram derrotados por Alexandre, o Grande (356-323 AC). Quando no ano de 323 AC Alexandre morreu com apenas 33 anos, seu império começou a desmoronar e foi dividido entre seus generais. Dois deles ficaram com a parte oriental: 1) Talmai (nome aramaico de Ptolomeu I Sóter, que viveu entre 366 e 283 AC; em grego Πτολεμαίος Σωτήρ, ‘Ptolemaíos Sōtér’ – ‘Ptolomeu Salvador’), fundador da dinastia Ptolomaica (em 323 AC), ficou com o Egito como sua parte no controle administrativo dos sucessores de Alexandre, estabelecendo sua capital em Alexandria. 2) Salvacos (Para os historiadores Judeus, Salvacos é o nome de Seleucos I ou Seleuco I Nicator (vida: 358-281 AC), em grego Σέλευκος Νικάτωρ, Nicator = o vencedor, o vitorioso; fundador da dinastia Selêucida) governou a região da Turquia Ocidental e Oriental (antigamente chamada de Anatólia), Síria, Iraque, Irã, Pérsia, Afeganistão, Paquistão e partes da Índia; depois a dinastia Selêucida alcançou domínio sobre o Líbano e Israel por volta de 168 AC. Os outros dois generais de Alexandre, o Grande (Alexandre Magno), que ficaram com a parte ocidental do seu império foram Cassandro da Macedônia (350-297 AC) e Filipe Lisímaco (360-281 AC).


Falanges macedônicas


Falanges Macedônicas – a formação do exército de Alexandre, com soldados muito próximos uns dos outros e lanças dispostas de uma forma que dificultava a passagem do inimigo através dos soldados gregos. Quem não morria na primeira linha de lanças morria provavelmente nas outras. Este tipo de formação de batalha tornou o exército de Alexandre praticamente invencível. Os romanos copiaram a mesma estratégia de formação de batalha para as suas legiões de infantaria.

Falanges macedônicas

Em primeiro lugar, é interessante olhar a extensão do império Persa deixado por Dario III e a extensão do império conquistado por Alexandre Magno, ou Alexandre o Grande.


Império medo-persa

Império macedônico


O império de Alexandre foi um pouco menor que o Persa. Foi o segundo maior império da Antiguidade.


Alexandre o Grande   Alexandre o Grande


Como já foi dito, quando Alexandre morreu com apenas 33 anos de idade (323 AC), seu império foi dividido entre seus quatro generais. Antes dessa divisão, porém, houve uma primeira, entre esses generais e outro, chamado Antígono I Monoftalmo, um grande nobre, general e sátrapa (382-301 AC), que se tornou o senhor de toda a Ásia Menor, por isso houve quatro guerras contra ele por parte dos outros.


Reino Macedônico dividido


Os diádocos (do grego Διάδοχοι, Diadokhoi, ‘sucessores’) também chamados de epígonos (grego: Επίγονοι, transl. Epígonoi, ‘filhos’), na história do Helenismo, foram os sucessores de Alexandre, o Grande. As Guerras dos Diádocos aconteceram após a morte de Alexandre, e são sobre elas que o profeta Daniel fala em seu livro (Dn 11: 1-35), quando se refere ao rei selêucida Antíoco IV que cometeu sacrilégio matando um porco (animal imundo) no altar do templo em Jerusalém. Embora, a partir do v. 35 em diante, as revelações se refiram mais aos tempos apocalípticos (ao Anticristo – vs. 36-39), ainda podemos encontrar neles as semelhanças com os atos de Antíoco IV Epifânio.

Cassandro (350-297 AC) herdou a Macedônia (Grécia). Cassandro era filho de Antípatro, um dos generais de Alexandre, o Grande, e de seu Pai, Filipe II da Macedônia. Nada há de muito interessante a ser dito sobre Cassandro, a não ser as coligações que fez com os outros generais (diádocos) de Alexandre para tirar o império das mãos de um grande nobre, general e sátrapa chamado Antígono (Antígono I Monoftalmo – 382-301 AC), que se tornou o senhor de toda a Ásia Menor e estabeleceu a dinastia antigônida. Ele reinou por 18 anos, e viveu até os 86 anos. Era chamado Monoftalmo, ou ‘o caolho’, porque só tinha um olho; o outro ele havia perdido em batalha. Foi atacado pelos outros Diádocos, e era muito temido de todos eles. Após sua morte (na quarta coligação de Diádocos), o império foi definitivamente dividido entre os quatro generais de Alexandre. Outro fator de interesse na vida de Cassandro foi a série de assassinatos que ele realizou, incluindo a mãe de Alexandre Magno (Olímpia) e seu filho por sua esposa Roxana, Alexandre IV (aos 13 anos de idade – 311 AC). Cassandro se casou com Tessalônica da Macedônia, e teve três filhos: Filipe IV da Macedônia, Antípatro II da Macedônia e Alexandre V da Macedônia. Cassandro morreu de tuberculose em 297 ou 296 AC na Macedônia. Seu filho mais velho Filipe IV e sucessor também veio a falecer de tuberculose quatro meses mais tarde.

O general Filipe Lisímaco (360-281 AC) tornou-se um dos quatro diádocos de Alexandre. Em 315 AC, Filipe Lisímaco uniu-se com Cassandro, Ptolomeu e Seleuco contra Antígono I Monoftalmo. Nesta primeira aliança entre os quatro generais contra ele, ele saiu ileso. Lisímaco continuou a travar suas guerras para aumentar seu território. Em 306 AC, Lisímaco tornou-se rei, governando a Ásia Menor, a Macedônia e a Trácia (região compreendida entre o Mar Negro e a Macedônia) por vinte anos. Em 302 AC, Lisímaco fez a segunda aliança entre Cassandro, Ptolomeu e Seleuco, e com o reforço das tropas de Cassandro, penetrou na Ásia Menor. Mas Antígono se aproximou e ele se retirou para uma residência próxima à cidade de Heracléia Pôntica (na costa do Mar Negro, na Turquia), casando-se com a rainha viúva Amestris, uma princesa persa, sobrinha de Dario III. Em 301 AC, os quatro se uniram pela quarta vez contra Antígono Monoftalmo na batalha de Ipso, perto da cidade de mesmo nome, na Frígia – nome da antiga região centro-oeste na antiga Ásia Menor (Anatólia), na moderna Turquia. Na época, Cassandro governava a Macedônia, Lisímaco era governante da Trácia, Seleuco I Nicator era governante da Babilônia e Pérsia, e Ptolomeu, governante do Egito. Os diácodos aliados venceram a batalha, Antígono Monoftalmo foi morto, e seu filho Demétrio I Poliorcetes escapou, fugindo para Éfeso (Poliorcetes significa ‘o sitiador’ [de cidades]). Assim, Ptolomeu ganhou o Egito; Seleuco, a maior parte das terras de Antígono no leste da Ásia Menor, e Lisímaco recebeu o restante da Ásia Menor. Vendo que Seleuco era mais forte, Lisímaco se aliou a Ptolomeu I Sóter, se divorciou de Amestris, e se casou com a filha de Ptolomeu, Arsínoe II do Egito (316-270 AC), que passou a ser rainha da Trácia e, depois, co-governante do Egito com seu irmão e marido, Ptolomeu II Filadelfo. Amestris retornou a Heracléia e depois foi assassinada em 306 AC por seus dois filhos (Clearco II e Oxatres, filhos do seu casamento anterior com Dionísio, tirano de Heracléia) que, por sua vez, foram condenados por Lisímaco. Ela também teve com ele (Dionísio) uma filha chamada Amestris. Arsínoe II lhe pediu a residência de Heracléia e, em 284 AC, conspirou contra o filho primogênito de Lisímaco, Agátocles, para que seus filhos fossem herdeiros do trono. Isso ela fez com ajuda de seu irmão Ptolomeu Cerauno. Eles usaram de mentira, acusando Agátocles de conspirar com Seleuco para tirar o trono de seu pai. Este condenou seu próprio filho, o que causou indignação em muitas cidades da Ásia Menor que se revoltaram. Seus amigos de confiança o desertaram. Aí, sim, sua nora viúva fugiu para Seleuco, que por sua vez invadiu os territórios de Lisímaco na Ásia. Quase na mesma época, Demétrio I Poliorcetes, que estava fora da Grécia, voltou com as hostilidades contra Lisímaco, mas depois de ver suas cidades invadidas na Ásia Menor ele fez um acordo de paz com este, ficando, então, como governante da Macedônia. Em seguida as guerras entre eles voltaram, mas Lisímaco venceu mais uma vez, tomando posse do território. Em 281 AC, Lisímaco entrou na Lídia, e na decisiva Batalha de Corupédio ele foi morto por Seleuco, que também derrotou Cassandro, e morreu logo depois dos seus inimigos. O corpo de Lisímaco foi vigiado por um dedicado cão por alguns dias e, depois de encontrado no campo de batalha, foi entregue a seu filho Alexandre, que o sepultou em Lisimáquia. Alexandre foi seu único filho com Amestris.

As quatro divisões principais do império de Alexandre após a batalha de Ipso

A parte oriental: 1) Ptolomeu I Sóter, fundador da dinastia Ptolomaica (em 323 AC), ficou com o Egito, estabelecendo sua capital em Alexandria. 2) Seleucos I ou Seleuco I Nicator, fundador da dinastia Selêucida, governou a região da Turquia Ocidental e Oriental (Anatólia), Síria, Iraque, Irã, Pérsia, Afeganistão, Paquistão e partes da Índia; depois, Líbano e Israel. A parte ocidental foi dividida entre Cassandro (350-297 AC), que recebeu a Macedônia (Grécia), e Filipe Lisímaco (360-281 AC), que recebeu o restante da Ásia Menor e a Trácia.


Império dividido-Alexandre
Diádocos de Alexandre – divisão do reino


Agora, vamos nos concentrar nas principais Dinastias: Ptolomaica e Selêucida.

Dinastia Ptolomaica


Ptolomeu Sóter   Exército Ptolomaico
Ptolomeu I Sóter e o exército Ptolomaico


Ptolomeu I Sóter, que viveu entre 366 e 283 AC, foi o fundador da dinastia Ptolomaica (em 323 AC). De 323 a 305 AC, foi sátrapa; de 305 a 285 AC, foi rei. Depois abdicou, e faleceu em 283 AC. Ptolomeu I Sóter era filho de Arsinoé da Macedônia. A História se refere ao pai de Ptolomeu como sendo Lagos ou Lagus, que foi um macedônio, daí o nome Lágidas, também dado à dinastia que fundou (dinastia Ptolomaica ou dinastia Lágida). Mas os macedônicos do século II DC diziam que seu pai verdadeiro era Filipe II, pai de Alexandre o grande, pois Ptolomeu I Sóter nasceu logo após o casamento de sua mãe com Lagos. Ptolomeu I Sóter ficou com o Egito, estabelecendo sua capital em Alexandria. Ele sempre se importou em manter o Egito seguro por causa das guerras dos diácodos, exercendo também um rígido controle sobre a região de Chipre, Cirene, Síria e Judéia. Em 308 AC tomou posse de Corinto, Sícion (antiga cidade ao sul da Grécia, na península de Peloponeso) e Mégara (uma cidade agrícola ao norte do istmo de Corinto). Mas em 306 AC, numa batalha contra Demétrio I, filho de Antígono Monoftalmo, Ptolomeu I perdeu Chipre definitivamente. Ele já havia perdido a Síria para Antígono, mas voltou a reconquistá-la pela quarta vez em 301 AC, após a morte do seu inimigo na batalha de Ipso. Entretanto, os outros membros da coligação atribuíram a Síria a Seleuco. Assim, durante cerca de um século, a questão da posse do sul da Síria, isto é, Israel, ocasionou um clima de constante conflito entre a dinastia Ptolomaica e os Selêucidas. Em 285 AC, Ptolomeu I Sóter abdicou em favor do filho de Berenice I, Ptolomeu II Filadelfo. Morreu em 283 AC com 84 anos de idade e foi o fundador do Museu e da biblioteca de Alexandria, incentivando a permanência dos sábios gregos na cidade em que eles escolhessem ficar.

Ele teve três esposas, e filhos com elas:
1) Com Eurídice (com quem se casou em 321 AC): Ptolomeu Cerauno, Meleagro da Macedônia, Argeu, Lisandra e Ptolomaida. Eurídice era filha de Antípatro, um general macedônico que apoiou fortemente o rei Filipe II da Macedônia e seu filho Alexandre, o Grande. Em 320 AC, tornou-se regente de todo o império de Alexandre. Eurídice era irmã de Cassandro.
2) Com Berenice I (com quem se casou em 316 AC): Ptolomeu II Filadelfo (285-247 AC), Arsínoe II e Filotera. Berenice I era sua concubina e também prima de Eurídice. Depois, veio a ser sua esposa principal e futura rainha. Ele adotou os filhos de Berenice I de seu primeiro casamento (com um nobre chamado Filipe): Magas de Cirene, Antígona e possivelmente Texena, como príncipes da Casa Real da Macedônia.
3) Com Taís: Lago, Leôntico e Irene (em Grego, ‘Eirene’; nenhum relato histórico se encontra sobre eles, apenas que Taís de Atenas era uma cortesã).

Por meio de suas filhas, Ptolomeu I Sóter realizou muitos casamentos diplomáticos, selando fortes e importantes alianças com os principais sucessores de Alexandre e com outros reinos no período helenístico, e garantindo a realeza de seus descendentes diretos nos principais reinos do mundo helênico nos séculos seguintes:
1) Irene se casou com o rei de Chipre.
2) Antígona, a filha do primeiro casamento de Berenice I, se casou com o rei de Épiro.
3) Texena, outra filha de Berenice I, se casou com o rei de Siracusa.
4) Lisandra, filha de Eurídice, se casou primeiro com o rei Alexandre V da Macedônia, filho de Cassandro, mas com sua morte em menos de um ano, se casou com Agátocles, filho de Lisímaco, e teve vários filhos com ele. Quando Agátocles foi morto pelo próprio pai, acusado de traição como vimos acima, Lisandra fugiu com os filhos para a corte de Seleuco I Nicator na Babilônia.
5) Ptolomaida se casou com Demétrio I, apelidado de Poliorcetes (significa ‘sitiador de cidades’), filho de Antígono Monoftalmo, por volta de 287-286 AC. Seu marido morreu logo após o nascimento de seu filho único, a quem deu o nome de Demétrio, o belo, herdeiro do trono macedônico e futuro rei de Cirene (atual região da costa oriental da Líbia). Demétrio, o belo, teve duas esposas: Olímpia de Larissa (lhe deu um filho que veio a ser rei da Macedônia) e a Rainha Berenice de Cirene, que se tornaria Berenice II do Egito. Demétrio, o belo, foi assassinado por Berenice por ter sido flagrado na cama com a sua própria sogra.
6) Arsínoe II do Egito se casou três vezes: aos dezesseis anos, com Lisímaco da Trácia e tiveram três filhos: Ptolomeu de Telmesso (ou Ptolomeu Epigonos), Lisímaco e Filipe. Os dois últimos seriam mortos, mais tarde pelo seu tio Ptolomeu Cerauno (meio-irmão de Arsínoe II), no chamado massacre de Cassandréia (a cidade da Macedônia onde ela reinava), quando ela estava se casando com ele. Ptolomeu Cerauno governava a Macedônia e a Trácia. Segundo os historiadores, o terceiro filho, Ptolomeu de Telmesso, que tinha aconselhado a mãe a não casar, conseguiu escapar para a Ilíria. Arsínoe conseguiu fugir para Alexandria, no Egito, onde se casou com seu irmão, Ptolomeu II Filadelfo. Não teve filhos com ele.
7) Filotera, filha de Berenice I e Ptolomeu I Sóter, foi a única filha que não se casou.

Ptolomeu II Filadelfo, filho de Ptolomeu I Sóter e Berenice I, reinou entre 285-246 AC. Casou-se com duas mulheres de nome Arsínoe: Arsínoe I (filha de Lisímaco) e Arsínoe II (sua irmã). Ptolomeu II Filadelfo nunca foi, na verdade, herdeiro do trono ptolomaico. Sendo o filho caçula do faraó, estava no último degrau da linha de sucessão, enquanto o primeiro seria ocupado por seu meio-irmão Ptolomeu Cerauno (filho de Ptolomeu Sóter e Eurídice). Mas este foi rejeitado como sucessor pelo pai e se tornou rei da Macedônia em 281 AC, morrendo no ano seguinte durante uma invasão gaulesa. Seu outro irmão, Meleagro, o sucedeu no trono da Macedônia por um curto período. Com Arsínoe I (filha de Lisímaco) Ptolomeu II Filadelfo teve três filhos: Ptolomeu III Evérgeta, Lisímaco e Berenice Sira (chamada também de Berenice Phernophorus, que significa ‘portadora do dote’). Com Arsínoe II (sua irmã), Ptolomeu II Filadelfo não teve filhos.

Esse rei fez um apelo ao sumo sacerdote de Jerusalém para ter uma tradução das Escrituras hebraicas para sua biblioteca real. O sacerdote lhe enviou setenta e dois anciãos a Alexandria com uma cópia oficial da Lei. Ali, em setenta e dois dias, fizeram uma tradução que foi lida perante a comunidade judaica apresentada ao rei. Por causa do número de tradutores, essa tradução tornou-se conhecida como Septuaginta (LXX) ou versão dos setenta. Essa foi a Septuaginta original. A Septuaginta foi escrita em grego koiné (popular).

Ptolomeu III Evérgeta foi o sucessor de Ptolomeu II Filadelfo (filho de sua esposa Arsínoe I – filha de Lisímaco). Governou o Egito entre 246 e 221 AC. Também tomou a Cilícia e conquistou todas as terras até o rio Eufrates (Terceira Guerra Síria ou Guerra Laodiciana). O rei egípcio continuou a política interna de seu pai, colonizando Faium, uma cidade do Médio Egito localizada 130 km a sudoeste do Cairo. Também deu ordem de construção do templo de Hórus (237 AC) e de recuperação de estátuas levadas para fora do Egito durante o período de dominação persa. Em conseqüência deste feito Ptolomeu recebeu o nome de Evérgeta, o que significa “O Benfeitor”. Durante seu reinado houve dois eventos importantes entre Ptolomeu III Evérgeta e a Síria: 1) Ele invadiu a Síria após um incidente com sua irmã Berenice Sira e seu filho (veremos isso mais tarde), no governo de seu contemporâneo, o rei Selêucida Antíoco II Theos (261-246 AC). 2) Dois irmãos e reis selêucidas (Seleuco II Calínico e Antíoco Hierax) brigaram entre si e Antíoco Hierax procurou refúgio com Ptolomeu III Evérgeta; foi preso e escapou, mas foi morto por ladrões quando fugia. Ptolomeu III Evérgeta se casou com Berenice II (filha de Magas de Cirene) e teve três filhos: Ptolomeu IV Filopator, Arsínoe III e Magas. Ele foi sucedido pelo seu filho, Ptolomeu IV.

Ptolomeu IV Filopator (244-205 AC): foi o sucessor de Ptolomeu III Evérgeta após 221 AC. Durante o seu reinado iniciou-se a decadência da dinastia Ptolomaica e, conseqüentemente, do Egito. Ele matou seu pai e sua mãe, ganhando o apelido de Filopator (aquele que ama seu pai) por ironia. Ptolomeu IV também deu ordem a seu ministro-chefe, Sosíbio, de matar seu irmão, Magas (filho de Ptolomeu III) e seu tio Lisímaco. Ele é retratado pelos autores clássicos como um rei fraco e cruel, que entregou os assuntos de Estado aos seus ministros e conselheiros, como Sosíbio. Em 219 AC o rei Antíoco III Magno conquistou algumas cidades costeiras da Celessíria, ameaçando o domínio ptolemaico nesta região. Ptolomeu e Sosíbio reorganizaram o exército, pela primeira vez desde o domínio ptolemaico, recrutando a população nativa do Egito – Quarta Guerra Síria (219-216 AC). Ele voltou a se confrontar com o rei Selêucida Antíoco III Magno em 217 AC na batalha de Ráfia (ou batalha de Gaza), ao sul da Palestina, onde o Egito prevaleceu. Em 210 AC ele se casou com Arsínoe III (sua irmã), com a qual teve um filho e sucessor: Ptolomeu V Epifânio, que veio a se casar com Cleópatra I, filha de Antíoco III Magno (o rei Selêucida) para selar um acordo político. Após a sua morte, Sosíbio e Agátocles ordenaram a morte de Arsínoe III, que estava se preparando para governar como regente na menoridade do seu filho. Sosíbio e Agátocles (seus dois ministros) morreram pelas mãos do povo, linchados, quando as pessoas souberam das circunstâncias da morte de Arsínoe III.

Ptolomeu V Epifânio (210-181 AC) reinou a partir de 205 AC, após a morte de seu pai. Alguns historiadores dizem que ele se tornou rei aos cinco anos de idade, tendo um testamento falsificado onde Sosíbio e Agátocles (seus dois ministros) eram considerados seus guardiões. Após a morte deles, Ptolomeu V ficou aos cuidados de Oenanthe, mãe de Agátocles. Esta situação confusa foi aproveitada pelo rei selêucida Antíoco III Magno para atacar cidades da Celessíria – Quinta Guerra Síria (202-195 AC). A Celessíria ou Coele-Síria é a região ao norte da Síria, mais tarde tomada pelos Romanos e Partas. Por intervenção romana, a paz foi feita através do casamento de Cleópatra I, filha de Antíoco III Magno, com Ptolomeu V. Durante o reinado de seu pai um rei núbio do sul do Egito iniciou um movimento separatista do seu território do império Ptolomaico, mas Ptolomeu V conseguiu acabar com ele. Com Cleópatra I, ele teve três filhos: Ptolomeu VI Filometor (que significa ‘aquele que ama sua mãe’), Ptolomeu VIII Evérgeta II (ou Ptolomeu VIII Fiscon, que significa ‘barrigudo’, ‘grande ventre’; seu nome de nascimento era Ptolomeu Neótero) e uma filha, Cleópatra II. Ptolomeu VI Filometor e Cleópatra II eram irmãos e casados, como era habitual para os faraós, pois os reis gregos Ptolomaicos tinham adotado muitos costumes dos faraós. Houve rivalidade entre os dois irmãos Ptolomeu VI Filometor e Ptolomeu VIII Evérgeta II. Ptolomeu VI Filometor (ou Eupator) ficou como sucessor de Ptolomeu V Epifânio.


Celessíria
Celessíria


Ptolomeu VI Filometor (r.180-145 AC) governou em co-regência com a mãe Cleópatra I (após a morte de seu pai) até a morte desta em 176 DC (o novo regente tinha seis anos de idade na época). Depois, ele ficou sob tutela de dois conselheiros da corte, que o incitaram a invadir a Celessíria. Casou-se com sua irmã Cleópatra II, mais ou menos em 175 ou 173 AC e teve filhos: Cleópatra III, Cleópatra Téia, Ptolomeu Eupator e Ptolomeu VII Novo Filopator. Em 170 AC Ptolomeu VI Filometor quis colocar seu irmão Ptolomeu Fiscon (mais tarde chamado Ptolomeu VIII Evérgeta II) como co-regente, junto com sua irmã e esposa Cleópatra II. Mas neste mesmo ano, seu tio Antíoco IV Epifânio invadiu o Egito e o prendeu (Sexta Guerra Síria – 170-168 AC). Assim, de 170 a 163 AC a nação foi governada pelo irmão de Ptolomeu VI Filometor, Ptolomeu VIII Evérgeta II, escolhido pelo povo de Alexandria como rei. Em 164 AC Ptolomeu VI foi expulso da capital egípcia Alexandria e se refugiou em Roma, que resolveu intervir na disputa entre os dois irmãos, colocando Ptolomeu VI Filometor como rei do Egito e Ptolomeu VIII Evérgeta II como rei da Cirenaica (costa oriental da Líbia), mas este também exigiu o domínio da ilha de Chipre. Ptolomeu VI Filometor o impediu de conseguir isso, mas temendo a reação de Roma, deixou o irmão reinar sobre a Cirenaica e lhe deu uma filha em casamento, Cleópatra Téia. Entretanto, ela veio a se casar com um usurpador do trono Selêucida, Alexandre Balas, cujo objetivo era matar Ptolomeu VI Filometor também, como fez com o filho legítimo de Seleuco IV Filopator: Demétrio I Sóter. O sucessor legítimo deste era seu filho Demétrio II Nicator. Assim, Ptolomeu VI Filometor considerou inválido o casamento de sua filha com Alexandre e a entregou a Demétrio II Nicator. Diante dessa situação tão conturbada, os habitantes de Antioquia e o exército selêucida pediram a Ptolemeu VI Filometor que se tornasse o novo rei selêucida, mas ele não aceitou a oferta.

Ptolomeu VIII Evérgeta II (ou Ptolomeu VIII Fiscon; Fiscon = ‘barrigudo’, ‘grande ventre’) governou em 2 períodos (170-163 AC e 145-116 AC). O primeiro período do seu reinado se refere ao período em que seu irmão e rei egípcio Ptolomeu VI Filometor foi feito prisioneiro pelo tio, Antíoco IV Epifânio. Durante este tempo ele reinou com sua irmã e cunhada, Cleópatra II. Com a morte de Ptolomeu VI, Ptolomeu VIII Evérgeta II tentou tomar o trono se casando com a irmã Cleópatra II que tentava assegurar os interesses do filho, Ptolomeu VII Novo Filopator, nomeado regente pelo pai. Em 145 AC, no dia do seu casamento com Cleópatra II, Ptolomeu VIII matou o sobrinho (Ptolomeu VII Novo Filopator). Mais tarde, ele repudiou a irmã e esposa para se casar com a filha desta, sua sobrinha Cleópatra III, que lhe deu dois filhos: Ptolomeu IX Sóter II e Ptolomeu X Alexandre I, além de três filhas: Cleópatra IV, Cleópatra Selene I e Trífena. Enquanto era viúva de Ptolomeu VI Filometor, Cleópatra II era apoiada tanto pelos judeus como pelos intelectuais de Alexandria, que foram perseguidos por Ptolomeu VIII Evérgeta II. Assim, houve uma divisão de popularidade entre o rei e a rainha, pois uns cidadãos apoiavam Cleópatra II e outros, Ptolomeu VIII Evérgeta II. Por isso, em 131 AC, ele fugiu para Chipre com Cleópatra III, sua sobrinha e esposa. Enquanto estava no exílio, ele soube que suas estátuas estavam sendo destruídas. Com inveja de Cleópatra II e, por represália, ele matou o único filho de ambos (Ptolomeu Menfita – com 12 anos de idade na época. Alguns historiadores dizem que sua identidade ainda não foi provada, ou que ele e Ptolomeu Eupator são a mesma pessoa), enviando os pedaços da criança à rainha no dia do seu aniversário. Em 127-126 AC, Ptolomeu VIII Evérgeta II conseguiu reconquistar o Egito, se reconciliando com Cleópatra II. Os três governaram em conjunto a partir de 124 AC e até a morte de Cleópatra II. Demétrio II Nicator tentou invadir o Egito, mas Ptolomeu VIII Evérgeta II lhe resistiu. Cleópatra II, que era mãe de Cleópatra Téia e, portanto, sogra de Demétrio II Nicator havia lhe prometido o trono do Egito. Demétrio II Nicator foi derrotado numa batalha perto de Damasco e tentou fugir para Tiro, mas sua entrada foi negada ali e ao tentar fugir ele foi morto (125 AC). Antes de morrer, Ptolomeu VIII Evérgeta II concedeu o poder a Cleópatra III e aos dois filhos que teve com ela de escolher qual seria o rei: Ptolomeu IX Sóter II ou Ptolomeu X Alexandre I. Os registros históricos mostram que Ptolomeu IX Sóter II reinou duas vezes (116-107 AC e 88-80 AC). Ptolomeu X Alexandre I reinou durante 107-88 AC. Ptolomeu IX Sóter II se casou com suas duas irmãs Cleópatra IV e Cleópatra Selene I e teve uma filha (Cleópatra, também chamada de Cleópatra Berenice III), que se casou com o tio Ptolomeu X Alexandre I.

A partir daí, os governantes Ptolomaicos foram (ver tabela no final do texto):
Ptolomeu IX Sóter II (116-107 AC)
Ptolomeu X Alexandre I (107-88 AC)
Ptolomeu IX Sóter II (88-80 AC)
Ptolomeu XI Alexandre II (80 AC)
Ptolomeu XII (80-51 AC)
Cleópatra VII (51-30 AC)
Ptolomeu XIII (51-47 AC) – co-regência com a irmã Cleópatra VII
Intervenção da República Romana no Egito – Júlio César – 47-46 AC
Ptolomeu XIV (47-40 AC) – co-regência com a irmã Cleópatra VII
Ptolomeu XV César (Cesarion = pequeno César – 44-30 AC)
Término da República Romana e início do Império Romano – 31/29 AC


Império Romano
Império Romano

Dinastia Selêucida


Seleuco Nicator
Seleuco I Nicator (358-281 AC) – Grego Antigo: Nikátōr, ‘o vencedor, o vitorioso’.


Seleucos I ou Seleuco I Nicator, fundador da dinastia Selêucida, governou a região da Turquia Ocidental e Oriental (antigamente chamada de Anatólia), Síria, Iraque, Irã, Pérsia, Afeganistão, Paquistão e partes da Índia; depois a dinastia Selêucida alcançou domínio sobre o Líbano e Israel por volta de 168-166 AC. Seleucos I estabeleceu-se na Babilônia em 312 AC, ano que geralmente define a data da fundação do Império Selêucida. Ele governou, como sátrapa (desce 323 AC), não somente a Babilônia, mas a gigantesca parte oriental do império de Alexandre. Na parte norte da Síria ele fundou a cidade de Antioquia (Antioquia da Síria), em homenagem a seu pai Antíoco (um grande general durante o império de Filipe II da Macedônia e seu filho Alexandre, o Grande). Seleuco I era filho único. Sua mãe se chamava Laódice. Seleuco I nasceu em 358 AC e morreu assassinado em 281 AC por Ptolomeu Cerauno logo ao chegar ao continente europeu. Seu reinado vai de 323 a 281 AC (323-305 AC como sátrapa e 305-281 AC como rei). Foi sucedido por seu filho Antíoco I Sóter (281-261 AC).

Desde o governo de Filipe II da Macedônia (pai de Alexandre, o Grande), foram fundadas quatro cidades importantes na Ásia, com a participação de Antíoco (seu general; o pai de Seleuco Nicator) e Seleuco I Nicator: Antioquia da Turquia, Selêucia (‘Selêucia Piéria’ – fundada por Seleuco I Nicator ao norte da desembocadura do rio Orontes, na Síria), Apaméia (cidade da Síria a 50 quilômetros do rio Orontes, fundada por Seleuco I Nicator em homenagem à sua esposa Apama) e Laodicéia, muito provavelmente se referindo à cidade de Laodicéia do Lico (o rio Lico), uma cidade da Frígia e Lídia na Ásia Menor a 60 km a leste de Éfeso. Antes, a cidade era chamada de Dióspole (Diospolis, a cidade de Zeus) e Rhoas (Rhodas), mas quando foi reconstruída, recebeu este nome em homenagem a Laódice, esposa de Antíoco II Theos (na verdade, foi ele quem a reconstruiu, por volta de 261-253 AC), o neto de Seleuco I Nicator. O local encontra-se atualmente deserto, e é chamado pelos turcos de Eski-hissar, ‘castelo velho’.


Ruínas de Laodicéia
As ruínas de Laodicéia


Seleuco I Nicator teve duas esposas: Apama e Estratonice (filha de Demétrio I Poliorcetes, filho de Antígono). Com Apama, ele teve três filhos: Apama, Laódice e Antíoco I Soter. Mais tarde, após a morte de Apama, Seleuco conheceu Estratonice, com quem teve uma filha: Fila.

Seleuco I Nicator era um sátrapa no tempo de Alexandre o grande. Em língua persa, sátrapa (khshathrapâvan) significa: ‘protetor do poder [sobre o território]’ ou ‘protetor do reino’, e era o nome dado aos governadores das províncias, chamadas satrapias, nos antigos impérios Aquemênida e Sassânida da Pérsia. Em outras palavras, sátrapas eram vice-reis investidos de considerável poder, e possuíam suas próprias cortes. Cada satrapia era governada por um sátrapa, que era nomeado pelo rei. Seleuco I Nicator foi afastado de sua satrapia em 316 AC por Nicanor, um general de Antígono Monoftalmo. Em 312 AC, ele voltou à Babilônia, fundando a dinastia selêucida, e em 305 AC já havia conseguido colocar todas as satrapias do império oriental sob seu domínio. Seu reinado atingiu uma extensão de 3.750.000 quilômetros quadrados, e uma população de 15 milhões de pessoas. Não apenas Seleuco como todos os demais Diádocos procuravam alianças com as classes mais privilegiadas dessas regiões (mercadores, grandes proprietários de terras, sacerdotes etc.), pois tinham riquezas e prestígio e poderiam ajudá-los a governar em paz e com autoridade as populações não helênicas, uma vez que os imigrantes de origem grega se resumiam apenas a 10% da população. Na batalha de Ipso (301 AC) descrita anteriormente, onde todos os Diádocos se coligaram para derrubar o reinado de Antígono e seu filho Demétrio I Poliorcetes, Seleuco acabou por sedimentar seu poder no leste da Ásia Menor sobre grande parte do território de Antígono, enquanto os outros três generais dividiam o império de Alexandre: Ptolomeu ganhou o Egito e Lisímaco recebeu a Trácia e o restante da Ásia Menor que se estendia até o Rio Hális (ao norte da Turquia). Ptolomeu não reivindicou nenhum outro ganho territorial além do Egito e do reconhecimento da tomada das cidades-porto fenícias. Também estava muito contente com o fim das guerras por posse de territórios. Cassandro, por não haver tomado iniciativa militar no confronto, recebeu quase nada da partilha, e se contentou com a Macedônia e em tomar a parte da Grécia que Demétrio I Poliorcetes havia tomado em 307 AC, quando havia expulsado o governante de Atenas. Seleuco integrou o restante da Mesopotâmia e a Síria ao seu enorme território, ganhando a porção mediterrânea do território Sírio (já conquistada por Antíoco seu pai), que era importante região comercial e tinha população numerosa.

Como foi dito a respeito de Lisímaco, vendo que Seleuco era mais forte ele se aliou a Ptolomeu I Sóter, se divorciou de Amestris e se casou com a filha de Ptolomeu, Arsínoe II do Egito, por volta de 300-299 AC. Mas aqui também houve um interesse por parte de Ptolomeu. Por isso, ele fez este acordo com Lisímaco através do casamento de sua filha. Ele queria derrotar a marinha de Demétrio em Chipre (pois temia a tomada das possessões fenícias por Seleuco) e conquistar as cidades do Egeu, a fim de dominá-las.

Assim, Seleuco I Nicator, isolado e ladeado por inimigos, recorreu ao seu antigo inimigo Demétrio I Poliorcetes e tomou sua filha Estratonice como esposa (298 AC), realizando o casamento em um grande navio construído por Demétrio para consolidar o pacto de sua marinha com o império Selêucida. Só que mais tarde (por volta de 296 AC), vendo a expansão da força naval de Demétrio no Mar Egeu, Seleuco voltou a se unir com Lisímaco para expulsar Demétrio da Cilícia, que acabou recuando para Chipre. Com a morte da Cassandro, seus dois filhos adolescentes (Antípatro II e Alexandre V) ficaram com o domínio da Macedônia, dividindo-a em duas regiões administrativas. Isso a fragilizou e abriu caminho para Demétrio que, com a ajuda de inimigos, entrou em Atenas em 295 AC e a tomou. Nos anos que se seguiram, Demétrio começou a mostrar sua ambição abertamente, o que provocou muitas guerras pelo controle da Macedônia e Grécia, principalmente sobre Corinto e Atenas, com a participação dos demais Diádocos e de Pirro, rei de Épiro. Depois de muitas derrotas inesperadas e muitas humilhações, Demétrio I Poliorcetes abdicou em favor de seu filho Antígono II Gônatas e morreu vítima de doença. Antígono Gônatas foi apelidado de Gônatas por ter nascido (319 AC) e sido criado em Gonnoi na Tessália (uma região que faz fronteira com a Macedônia, Épiro, Grécia central e Mar Egeu), a menos que Gônatas seja derivado do nome de uma chapa de ferro (Gonu) protegendo os órgãos genitais (no grego antigo, gonatos). Antígono II Gônatas faleceu com oitenta e três anos de idade e foi sucedido por seu filho Demétrio (o mesmo nome de seu falecido avô). Seleuco I Nicator matou Lisímaco na batalha de Corupédio (Corupedium) e, no final de sua vida, quis tomar posse da Macedônia e Trácia, mas no caminho foi assassinado por Ptolomeu Cerauno, perto de Lisimáquia (atual Grécia) em setembro de 281 AC.

Seleuco I Nicator foi sucedido por seu filho Antíoco I Sóter (reinado: 281-261 AC). Antíoco I Sóter era filho de Seleuco I Nicator com sua mulher Apama. Ele reinou sobre a parte oriental do império (que correspondia ao território entre o Mar Cáspio e a Índia) entre 292-281 AC, e depois (281-261 AC) sobre a totalidade dele. Por volta de 294-293 AC (antes do seu reinado) ele se casou com a outra mulher de seu pai, Estratonice, e teve três filhos: Antíoco II, Estratonice e Apama. Após a morte de Seleuco I Nicator, ele voltou a fazer acordo de paz com o assassino de seu pai (Ptolomeu Cerauno, rei da Macedônia e filho de Ptolomeu I Sóter). Assim, ele conseguiu resistir às revoltas internas no seu reino por parte da Síria e do norte da Ásia Menor. Por volta de 275 AC Antíoco I Sóter derrotou os Gálatas, um povo nômade que veio para destruir as cidades da Iônia ou Jônia (a região a sudoeste da Turquia). Por ter poupado estas cidades da destruição dos Gálatas, ele recebeu o título de Sóter (‘Salvador’). Ele foi constantemente atacado por seu inimigo da dinastia Ptolmaica, Ptolomeu II Filadelfo, e em 279 AC perdeu para este a cidade de Mileto, na Jônia. Anos mais tarde, ele repeliu uma invasão egípcia ao norte da Síria (Primeira Guerra Síria – 274-271 AC), mas nos anos posteriores perdeu a Fenícia para os egípcios (273-272 AC). Por sua vez, Pérgamo (na Ásia Menor, atual Turquia) se rebelou contra o domínio Selêucida em 266-261 AC e lutou pela sua independência, colocando o rei Eumenes I como seu governante. Na luta contra os Gálatas em 261 AC, Antíoco I Sóter veio a falecer. Antíoco II subiu ao poder após a morte do pai com o nome de Antíoco II Theos.

Antíoco II Theos (‘Deus’) reinou no período de 261-246 AC, subindo ao poder com 26 anos. Antíoco II Theos era filho de Antíoco I Sóter e Estratonice. Suas irmãs, Estratonice e Apama se casaram, respectivamente, com Demétrio II da Macedônia (filho de Antígono Gônatas e neto de Demétrio Poliórcetes) e Magas de Cirene (filho do primeiro casamento de Berenice I e enteado de Ptolomeu I Sóter). Magas era meio-irmão de Ptolomeu II Filadelfo (filho legítimo de Berenice I e de Ptolomeu I Sóter) e teve uma filha com Apama, também chamada Berenice. Antíoco II Theos teve um irmão mais velho chamado Seleuco, que segundo as fontes históricas, morreu cedo, provavelmente executado por traição. Antíoco II Theos aliou-se ao rei da Macedônia Antígono Gônatas na luta contra o Egito (Ptolomeu II Filadelfo) pela disputa da Síria, durante a Segunda Guerra Síria (260-253 AC). Houve seis Guerras Sírias entre o império Selêucida e o Ptolomaico durante os séculos III e II AC (274-168 AC) na região ao norte da Síria, chamada de Celessíria (ou Cele-Síria), mais tarde tomada pelos Romanos e Partas. Assim, Antíoco conseguiu recuperar uma grande parte da Ásia Menor, incluindo as cidades de Éfeso e Mileto, além de reconquistar a costa Fenícia, perdida para egípcios no reinado de seu pai. Na guerra em Mileto, por ter vencido o tirano que ali governava, ele ficou conhecido pelos cidadãos como um deus, por isso, o nome ‘Theos’ acrescentado ao seu nome de nascimento.

Antíoco II Theos teve como primeira esposa Laódice, em cuja homenagem fundou a cidade de Laodicéia. Não se encontra informações sobre ela; apenas que seu pai se chamava Aqueu e que ela teve 2 filhos e 2 filhas com Antíoco II Theos: Seleuco II Calínico, Antígono Hierax (Também conhecido por Antíoco Hierax). As filhas têm nomes apenas cogitados por alguns cidadãos da Babilônia daquela época: Apama e Laódice. Mais tarde, porém, para selar a paz com o Egito na Segunda Guerra Síria, ele veio a se casar com Berenice Sira, filha de Ptolomeu II Filadelfo e Arsínoe I (filha de Lisímaco), e irmã de Ptolomeu III Evérgeta e Lisímaco. Por isso, Antíoco II Theos se divorciou de Laódice, transferindo a sucessão para o filho de Berenice Sira. Laódice foi enviada para o exílio em Éfeso, onde continuou a fomentar intrigas, a fim de recuperar a coroa. Em 246 AC, com a morte de Ptolomeu II Filadelfo do Egito, Antíoco II Theos repudiou Berenice, deixando sozinha com seu filho Antíoco em Antioquia, e tomou Laódice de volta como esposa e rainha. Com medo de que o marido mudasse de idéia novamente, Laódice envenenou Antíoco II Theos, e entregou Berenice e seu filho para serem mortos por Icádio e Geneu, líderes de Antioquia. Este incidente deu início à Terceira Guerra Síria (246-241 AC), contra o irmão de Berenice Sira, Ptolomeu III Evérgeta, agora o rei Ptolomaico. Este voltou a invadir a Síria após o incidente com sua irmã e com seu sobrinho. Antíoco II Theos faleceu por doença em Éfeso em 246 AC, com a idade estimada de 40 anos ou, segundo outras fontes, envenenado por Laódice. Foi sucedido por seu filho Seleuco II Calínico (reinado: 246-225 AC), nomeado pela própria mãe Laódice. Seu outro filho, Antíoco Hierax, tinha a alcunha de ‘falcão’, por causa de seu caráter ambicioso, e tentou reinar sobre alguns territórios, mas depois de uma guerra contra seu irmão, este procurou refúgio com Ptolomeu III. Foi preso e escapou, mas foi morto por ladrões quando fugia. Há pouquíssimas informações históricas sobre Seleuco II Calínico e sobre seu reinado. Seleuco II Calínico foi sucedido por seu filho Seleuco III Cerauno.

Seleuco III Cerauno (243-223 AC) tinha o nome de Alexandre (nome de nascimento). Seus avós paternos eram Antíoco II Theos e Laódice, pais de Seleuco II Calínico e Antíoco Hierax. O irmão de Seleuco III Cerauno era Antíoco III Magno. Alexandre sucedeu a seu pai e tomou o nome de Seleuco III Cerauno, sendo que Cerauno significa ‘trovão’, por causa de suas tropas. Após três anos de reinado (225-223 AC) Seleuco III Cerauno foi atacado à traição e morto na Frígia. Ele foi sucedido por seu irmão Antíoco III, também chamado Antíoco III Magno ou Antíoco, o Grande, que começou a reinar em 223 AC.


Antíoco Magno
Antíoco, o Grande, ou Antíoco III Magno


Antíoco III, também chamado Antíoco III Magno ou Antíoco, o Grande, viveu por 54 anos (241-187 AC), e seu reinado foi entre 223-187 AC. Durante o reinado de seu irmão Seleuco III Cerauno, Antíoco III foi um sátrapa da Babilônia. Ele casou com Laódice, filha do rei Mitrídates II do Ponto, formando assim uma aliança com este poderoso reino. Ele teve três filhos com Laódice: Seleuco IV Filopator, Cleópatra I e Antíoco IV Epifânio. O reino do Ponto ficava situado ao norte da Anatólia (Turquia), na costa sudeste do Mar Negro. Era chamado de Ponto Euxino pelos jônicos (gregos) que exploraram a região e a colonizaram no período de 1000-800 AC. Seu objetivo era reconquistar a Síria e partes da Palestina, por isso lutou contra o reino Ptolomaico (Ptolomeu IV Filopator), na Quarta Guerra Síria (219-216 AC), mas foi derrotado em 217 AC na batalha de Ráfia, perto de Gaza (Guerras Sírias). Seguiu-se um novo acordo de paz com o Egito.


Batalha de Ráfia
Batalha de Ráfia


Após a morte de Ptolomeu IV Filopator em 205 AC, Antíoco III Magno e o rei Filipe V da Macedônia fizeram um acordo para dividir o império Ptolomaico. Antíoco ficaria com o sul da Síria, a Lícia, a Cilícia e Chipre, enquanto que Filipe receberia a parte ocidental da Ásia Menor e as Cíclades (ilhas no sul do Mar Egeu). Após ter derrotado Ptolomeu IV Filopator na Batalha de Pânias (também conhecida como Paneion, ou Paneas ou Panium), próxima a Banias (noroeste da Síria) em 200 AC, Antíoco III Magno se apoderou do Egito, da Palestina e da Celessíria. Antíoco garantiu aos judeus a liberdade de culto e permitiu-lhes cobrar impostos destinados ao templo de Jerusalém. Seu aliado Filipe V, entretanto, envolveu-se em conflitos com Pérgamo e Rodes, que pediram ajuda a Roma. Antíoco (em 198 AC) invadiu partes do reino de Pérgamo, e em 196 AC, a Trácia. Esta invasão o levou a problemas com Roma, que exigia a retirada de Antíoco da Europa, o que este se recusou a fazer. A situação piorou quando Antíoco III Magno acolheu em sua corte um inimigo de Roma derrotado na Segunda Guerra Púnica (218-201 AC), o general e estadista Cartaginês, Aníbal (seu nome significa: ‘Baal foi bondoso’, ou ‘Graça de Baal’, ou ainda, ‘Baal é meu senhor’). Quem o havia derrotado foi Públio Cornélio Cipião Africano, chamado ‘o Velho’, um general e estadista da República Romana (período de vida: 236-183 AC). Guerras Púnicas foi uma série de três conflitos entre a República Romana e a República de Cartago, uma cidade-estado fenícia ao norte da África (entre 264-146 AC), disputando o domínio sobre o Mar Mediterrâneo. Os romanos chamavam os cartagineses de Punici, originado do nome ‘Poenici’, ou seja, de ascendência fenícia.

Por outro lado, seu antigo aliado Filipe V foi derrotado pelos Romanos na Segunda Guerra da Macedônia, tendo Antíoco se recusado a ajudá-lo. Em vez disso, decidiu atacar o Egito novamente, que não podia ser ajudado pelos Romanos. Depois de ter sido alcançada a paz com o Ptolomeu V Epifânio, o reino Selêucida integrou definitivamente o sul da Síria e os territórios egípcios da Ásia Menor (Quinta Guerra Síria – 202-195 AC). A paz com Ptolomeu V Epifânio (r. 203-181 AC) foi alcançada através do casamento da filha de Antíoco III Magno, Cleópatra I, com o rei egípcio. A mãe de Cleópatra I era Laódice III. A jovem nasceu na Síria, e em 193 AC na Palestina se casou com Ptolomeu V Epifânio. Este casamento foi arranjado quando Cleópatra I era ainda uma criança, pois Antíoco III Magno tinha interesse no acordo com o Egito, pois estava vendo a ascensão de Roma. Como dote de casamento ele concedeu ao rei egípcio a região da Cele-Síria. Mais tarde, o filho de Antíoco III Magno e irmão mais novo de Cleópatra I, Antíoco IV Epifânio (‘Ilustre’), entrou em guerra contra o filho da união entre sua irmã e o rei egípcio, ou seja, contra seu sobrinho Ptolomeu VI Filometor, e negou que este acordo tinha existido (Sexta Guerra Síria – 170-168 AC). Em 191 AC, Antíoco III Magno foi derrotado pelos romanos nas Termópilas (na Grécia), abandonando a Europa. Mas se recusou a deixar a região a oeste das montanhas do Taurus (nas montanhas da Ásia, a sudeste da Turquia), sendo vencido definitivamente em 189 AC na batalha de Magnésia (nas planícies da Lídia, atual Turquia). Através do tratado de Apaméia, ele foi obrigado a abandonar a Europa por completo e toda a Ásia a oeste do Taurus, só poderia ter doze navios de guerra com a finalidade de manter seus súditos sob controle (embora pudesse ter mais se fosse atacado), foi obrigado a pagar 15 mil talentos a Roma, a ceder os elefantes que tinha no exército e a entregar o seu filho Antíoco IV Epifânio como refém junto com mais dezenove pessoas (vinte pessoas a cada três anos). Alguns historiadores dizem que Antíoco III Magno e vários nobres foram mortos em batalha em Susa em 187 AC. Outros dizem que ele foi assassinado num templo de Baal, quando tentava conseguir parte do dinheiro que tinha que pagar aos Romanos. Seu filho Seleuco IV Filopator reinou em seu lugar no período de 187-175 AC.


Mt.Taurus


Seleuco IV Filopator (do Grego, “que ama a seu pai”), filho de Antíoco III Magno reinou em seu lugar no período de 187-175 AC. Embora o império que herdou não fosse tão grande como o de seu pai antes da guerra contra Roma (190-189 AC), ele ainda era de tamanho considerável consistindo da Síria (incluindo a Cilícia e a Palestina), Mesopotâmia, Babilônia, Pérsia e Média. Casou sua filha Laódice com o rei macedônio Perseu. No mesmo ano, ele enviou seu filho Demétrio I Sóter como refém a Roma; em contrapartida, seu irmão, Antíoco IV Epifânio voltou de lá. Em 175 AC, pressionado pelas necessidades financeiras, ele deu ordem ao seu comandante Heliodoro para cobrar impostos no templo de Jerusalém a fim de pagar a indenização de guerra exigida por Roma, mas este encontrou oposição do sumo sacerdote e retornou. No mesmo ano, Seleuco IV Filopator foi assassinado (envenenado) por Heliodoro. Ele tinha 60 anos quando morreu. Como o verdadeiro herdeiro Demétrio I Sóter, filho de Seleuco IV Filopator, estava sendo mantido como refém em Roma, uma criança, Antíoco, outro filho de Seleuco IV Filopator, foi formalmente o rei por alguns anos até que seu irmão mais novo Antíoco IV Epifânio, que havia passado 14 anos em Roma como refém, o matou. Ao retornar de Roma, matou também Heliodoro e subiu ao trono selêucida (reinado: 175-164 AC).

Antíoco IV Epifânio (vida: 215-162 AC) – Antíoco Epifânio (“que se manifesta com esplendor” ou “ilustre”) era filho de Antíoco III Magno e Laódice, e seus irmãos eram: Seleuco IV Filopator e Cleópatra I. Governou a Síria entre 175-164 AC, e morreu em 162 AC com 53 anos de idade. Após a derrota de seu pai em 189 AC na batalha de Magnésia contra os romanos, Antíoco IV Epifânio viveu 14 anos como exilado em Roma até 175 AC. Ele se envolveu na Sexta Guerra da Síria contra o Egito (170-168 AC) e seus reis, os irmãos Ptolomeu VI Filometor e Ptolomeu VIII Evérgeta II, conquistando a estratégica cidade de Pelúsio (foi uma antiga cidade do Baixo Egito, situada no extremo nordeste do delta do Nilo, na desembocadura mais oriental do Nilo, em território tradicionalmente egípcio). Ele tentou uma segunda expedição contra o Egito para tomar Alexandria em 168 AC, mas interrompida por intervenção de Roma, que enviou o cônsul Caio Popílio Lenas para Alexandria. Antíoco IV, que já havia tomado Chipre e Mênfis, voltou para Alexandria, mas se encontrou com o cônsul romano em Elêusis, nas cercanias da capital. Elêusis era uma cidade grega antiga, cheia de misticismo e muito ligada à mitologia grega. Ali, Caio Popílio Lenas lhe deu um ultimato em nome do senado romano para que ele saísse imediatamente de Chipre e do Egito. A História diz que nesse dia, Popílio pegou uma cana de açúcar, traçou um círculo na areia ao redor de Antíoco (que tentava ganhar tempo) e ordenou-lhe não sair dele até tomar uma decisão. Antíoco optou por obedecer. O “Dia de Elêusis” pôs fim à Sexta Guerra Síria e às esperanças de Antíoco de conquistar território egípcio.

Depois deste episódio, Antíoco centrou a sua atenção na Judéia, procurando também levar o helenismo para lá e anexá-la a Roma. Durante o reinado do seu pai Antíoco III Magno, foi concedida ampla autonomia religiosa aos judeus que se encontravam divididos em dois partidos, um dito ‘piedoso’ e outro que favorecia a helenização e a romanização, sendo este último mais rico e composto por pessoas mais importantes diante da sociedade. Antíoco apoiou este último partido. Em 168-167 AC, na volta da guerra contra o Egito, Antíoco IV Epifânio conquistou Jerusalém que passou a ser permanentemente controlada por soldados. Ali, Antíoco IV cometeu sacrilégio matando um porco (animal imundo) no altar. Ele procurou estabelecer o helenismo à força, instituindo como lei a destruição dos exemplares das Escrituras e proibindo o culto judaico: a observância do shabbat, as proibições alimentares e até a circuncisão. No Templo de Jerusalém foi instalada uma estátua do deus grego Zeus (Júpiter para os romanos). Esta situação (romanização e helenização da Judéia) gerou descontentamento entre os judeus fiéis como Matatias e seus filhos: Simão, Judas (o macabeu), Eleazar, João e Jônatas (a família Hasmoneana, conhecida como Macabeus). Eles viviam num vilarejo chamado Modiín. A revolta, que começou com um ato forçado de idolatria imposto por um general grego, se transformou numa guerra, onde Matatias faleceu já em idade avançada, e seu filho, Judas Macabeu, foi nomeado general. Os Macabeus expulsaram as tropas de Antíoco IV de Jerusalém. Judas queria retomar Jerusalém para purificar o templo. Mas, ao chegar ao templo sagrado, encontrou apenas desolação, ruínas, ídolos e estátuas por toda parte. A Revolta dos Macabeus durou de 167-160 AC. Judas Macabeu faleceu e foi sucedido por seu irmão Jônatas, que se tornou sumo sacerdote em Jerusalém. O rei selêucida chegou ao termo do seu reinado no ano 164 AC, com uma doença grave (Cogita-se que um câncer), vindo a falecer em 162 AC. Foi sucedido por Antíoco V Eupator, seu filho (164-162 AC). Para Israel já havia começado o Período Hasmoneano (ou Asmoneu; 167-63 AC). Falaremos mais sobre Antíoco IV Epifânio na profecia de Daniel 11: 1-45 (em especial nos versículos 21-28).

Antíoco V Eupator (173-162 AC) reinou após Antíoco IV Epifânio (seu pai), entre 164-162 AC. O nome Eupator significa “nascido de bom pai”. Começou a reinar quando tinha apenas nove anos de idade (alguns historiadores dizem doze anos). Tinha uma irmã chamada Laódice VI. Em 163 AC os romanos o reconheceram como rei, em oposição a Demétrio I Sóter seu primo, que estava vivendo como refém em Roma. Lísias, seu tutor, tornou-se governador da Celessíria e da Fenícia. Em 162 AC Lísias formou um exército para atacar os judeus, dando continuidade à guerra de Antíoco IV Epifânio. Acompanhado do rei, saiu contra a Judéia e conquistou uma vitória sobre o pequeno grupo de Judas Macabeu na Batalha de Bete-Zacarias. Contudo, quando Lísias soube do regresso de Filipe da Pérsia e da Média (ele era o regente oficial de Antíoco V, mas pretendia assumir o governo), fez a paz com os judeus e concedeu-lhes a liberdade de culto. Em 162 AC, Lísias e Antíoco V Eupator foram assassinados por soldados do exército que apoiavam Demétrio I Sóter, filho de Seleuco IV Filopator e que havia regressado do seu exílio em Roma, reivindicando o trono do reino selêucida. Depois de matar o rei Antíoco V Eupator, (164-162 AC), seu primo (filho de Antíoco IV Epifânio), Demétrio I Sóter se estabeleceu como rei do trono sírio (161-150 AC), mas não pôde ganhar a simpatia dos romanos. Um usurpador do trono Selêucida, Alexandre Balas, acabou por matá-lo e subiu ao poder (150-145 AC).

O sucessor legítimo de Demétrio I Sóter era seu filho Demétrio II Nicator. Em nova batalha entre o reino Selêucida e o Ptolomaico em Antioquia (145 AC), Ptolomeu VI Filometor morreu, Demétrio II Nicator sobreviveu, e Alexandre Balas também foi morto, caindo de um cavalo fraturando o crânio (algumas versões dizem outra coisa: que Alexandre teve a cabeça cortada pelos Nabateus quando ele tentou fugir de Ptolomeu VI Filometor, pois os Nabateus queriam paz com o Egito). Demétrio II Nicator subiu ao poder (144-125 AC), mas logo depois, o general Diódoto Trífon, protetor do filho de Alexandre Balas (Antíoco VI Dionísio) entrou em Antioquia, e o menino com três anos de idade na época foi coroado o rei da Síria (144 AC). Demétrio II Nicator, incapaz de retomar a capital, se estabeleceu na Selêucia. Dois anos depois, o general Diódoto Trífon depôs Antíoco VI Dionísio e se sentou no trono da Síria, como mais um usurpador, reinando entre 142 e 139 AC. A disputa pelo trono continuou entre ele e Demétrio II Nicator. Em 139 AC, porém, este foi forçado a entrar em guerra contra os Partas. A Pártia era um reino que englobou a Média e a Pérsia. Mitrídates I (o rei) tomou Demétrio como prisioneiro; e a província selêucida da Babilônia se tornou parte da Pártia. Na Síria, porém, o general Trífon foi deposto pelo irmão de Demétrio II Nicator, Antíoco VII Evérgeta (ou Sideta), que também se casou com Cleópatra Téia (a cunhada) e reinou no período de 139-129 AC. Ele era conhecido como Sideta, em referência a Sida, cidade da Ásia Menor (atual Turquia), onde ele foi criado. Mitrídates I manteve Demétrio II Nicator vivo, e o casou com uma princesa Parta chamada Rhodogune, com quem ele teve filhos. Entretanto, ele tentou escapar do exílio, mas não conseguiu. Tentou, mais uma vez, e também foi capturado. Em 129 AC, seu irmão Antíoco VII Evérgeta marchou contra a Pártia. O novo rei Parta era Fraates II. Ele derrotou Sideta, que morreu na tentativa de livrar o irmão do cativeiro. Demétrio conseguiu escapar e retornou à Síria, tentando mais uma vez recuperar o trono. Mas foi mal recebido pelo povo. A rainha do Egito Cleópatra II também tentou envolvê-lo numa trama contra seu irmão Ptolomeu VIII Evérgeta II, lhe preparando um exército. Infelizmente, com a deserção das tropas de Demétrio, Ptolomeu VIII Evégeta II colocou no trono da Síria outro usurpador, Alexandre II Zabinas (129-125 AC, supostamente o filho de Alexandre Balas), mas que se suicidou com veneno, após ser derrotado por Antíoco VIII Gripo, filho de Demétrio II Nicator. Demétrio foi derrotado em uma batalha perto de Damasco, tentou fugir para Ptolomaida, que negou sua entrada por ordens de sua própria esposa Cleópatra Téia. Tentou, então, fugir para Tiro, mas foi morto ao tentar escapar de barco. Ele foi sucedido por sua mulher Cleópatra Téia e, em seguida, por seus dois filhos, Seleuco V Filometor e Antíoco VIII Gripo, em co-regência com a mãe. Ela matou Seleuco V Filometor e, após 120 AC, com a morte de Téia, Antíoco VIII Gripo reinou sozinho até 96 AC, apesar da disputa com seu meio-irmão Antíoco IX de Cízico.

As guerras continuaram entre o reino Selêucida e Ptolomaico até 64 AC, quando o General Pompeu anexou a Síria à República Romana. O povo judeu muito sofreu com essas sucessivas guerras, visto que seu território servia de passagem e, às vezes, também de campo de batalha para os dois exércitos rivais.

Os governantes Selêucidas neste conturbado período foram:

Cleópatra Téia – 125-120 AC
Seleuco V Filometor – 125 AC (morto pela mãe – Cleópatra Téia)
Antíoco VIII Filometor (Antíoco VIII Gripo) – 125-96 AC – co-regente com a mãe (Cleópatra Téia) até a morte desta em 120 AC
Antíoco IX de Cízico – 155-96 AC – disputa com Antíoco VIII Gripo
Seleuco VI Epifânio Nicator – 96-95 AC
Antíoco X Eusébio Filopator – 95-90 AC
Demétrio III Eucerus (ou Filopator) – 95-87 AC
Antíoco XI Epifânio Filadelfo – 95-92 AC
Filipe I Filadelfo – 95-84/83 AC
Antíoco XII Dionísio – 87-84 AC – Antíoco Epifânio Dionísio (o nome cunhado nas moedas)
Tigranes II da Armênia (Tigranes, o Grande) – intervenção – 83-69 AC
Seleuco VII Cibiosactes ou Filometor – 83-69 AC – reinando apenas sobre algumas cidades
Antíoco XIII Asiático – 69-64 AC
Pompeu anexa a Síria à República Romana – 64 AC
Filipe II Filoromaeus (‘Amigo dos romanos’) ou Baripous (‘Pé pesado’) – 65-63 AC
Término da República Romana e início do Império Romano – 31/29 AC
(ver tabela no final do texto)

Guerras Púnicas

Guerras Púnicas foi uma série de três conflitos entre a República Romana e a República de Cartago, uma cidade-estado fenícia ao norte da África (entre 264-146 AC), disputando o senhorio sobre o Mar Mediterrâneo. Os romanos chamavam os cartagineses de Punici, originado do nome ‘Poenici’, ou seja, de ascendência fenícia. As Guerras Púnicas durante a República Romana se restringiram ao domínio de Roma sobre o Norte da África, envolvendo a península Ibérica e algumas ilhas do Mediterrâneo Ocidental. A Primeira Guerra Púnica foi em 264-241 AC. A Segunda, em 218-202 AC; e a Terceira, em 149-146 AC. Em 146 AC houve anexação da península grega e suas ilhas à República Romana. E isso também contribuiu para o fim dos Impérios Selêucida e Ptolomaico. Para Israel também foi o início de uma nova era, com a finalização do período Hasmoneano (167-63 AC) até a tomada definitiva de Jerusalém por Pompeu em 63 AC e a posterior instalação do império Romano (31 AC), que perdurou por mais ou menos 500 anos no Ocidente (476 DC), e quase mil anos no Oriente (até 1453 DC), com a queda do Império Bizantino.

Guerras Sírias

Houve seis Guerras Sírias entre o império Selêucida e o Ptolomaico durante os séculos III e II AC (274-168 AC) na região ao norte da Síria, chamada de Celessíria (ou Cele-Síria), mais tarde tomada pelos Romanos e Partas.
1) Primeira Guerra Síria (274-271 AC) – Antíoco I Sóter repeliu uma invasão egípcia ao norte da Síria por Ptolomeu II Filadelfo.
2) Segunda Guerra Síria (260-253 AC) – Antíoco II Theos aliou-se ao rei da Macedônia Antígono Gônatas na luta contra o Egito (Ptolomeu II Filadelfo) pela disputa da Síria. Para selar a paz com o Egito, ele veio a se casar com Berenice Sira, filha de Ptolomeu II Filadelfo e irmã de Ptolomeu III Evérgeta.
3) Terceira Guerra Síria ou Guerra Laodiciana (246-241 AC) – entre Ptolomeu III Evérgeta e Antíoco II Theos, por causa da morte de Berenice Sira e seu filho.
4) Quarta Guerra Síria (219-216 AC) – entre Antíoco III Magno e Ptolomeu IV Filopator – o primeiro queria reconquistar a Síria e partes da Palestina, mas foi derrotado em 217 AC na batalha de Ráfia, perto de Gaza.
5) Quinta Guerra Síria (202-195 AC) – entre Antíoco III Magno e Ptolomeu V Epifânio ainda jovem, após a morte dos seus ministros. A paz foi feita através do casamento de Cleópatra I, filha de Antíoco III Magno, com Ptolomeu V Epifânio.
6) Sexta Guerra Síria (170-168 AC) – entre Antíoco IV Epifânio e seu sobrinho Ptolomeu VI Filometor (filho de Cleópatra I e Ptolomeu V Epifânio). Antíoco IV Epifânio negou qualquer acordo de paz entre os dois reinos.

Tabela dos reis Ptolomaicos e Selêucidas:


Ptolomeus – Egito – reinado Selêucidas – Síria e Oriente – reinado
Ptolomeu I Sóter – 323-305 AC (sátrapa); 305-285 AC (rei) Seleuco I Nicator – 323-305 AC (sátrapa); 305-281 AC (rei)
Ptolomeu II Filadelfo – 285-246 AC Antíoco I Sóter – 281-261 AC
  Antíoco II Theos – 261-246 AC
Ptolomeu III Evérgeta – 246-221 AC Seleuco II Calínico – 246-225 AC
Ptolomeu IV Filopator – 221-205 AC Seleuco III Cerauno – 225-223 AC
  Antíoco III, o Grande – 223-187 AC
Ptolomeu V Epifânio – 205-180 AC Seleuco IV Filopator – 187-175 AC
Ptolomeu VI Filometor – 180-170 AC – 1º reinado Antíoco IV Epifânio – 175-164 AC
Ptolomeu VIII Evérgeta II* – 170-163 AC – 1º reinado Antíoco V Eupator – 164-162 AC
Ptolomeu VI Filometor – 163-145 AC – 2º reinado Demétrio I Sóter – 161-150 AC
  Alexandre Balas (usurpador) – 150-145 AC
Ptolomeu VII Novo Filometor – 145 AC – morto pelo tio* Demétrio II Nicator – 145-144 AC
Ptolomeu VIII Evérgeta II – 145-116 AC – 2º reinado Antíoco VI Dionísio – 144-142 AC + Diódoto Trífon – 142-139 AC
  Antíoco VII Evérgeta (ou Sideta) – 139-129 AC
  Alexandre II Zabinas – 129-125 AC / Demétrio II Nicator – 129-125 AC
  Cleópatra Téia*** – 125-120 AC
  Seleuco V Filometor – 125 AC – morto pela mãe***
  Antíoco VIII Filometor (Antíoco VIII Gripo) – 125-96 AC
Ptolomeu IX Sóter II – 116-107 AC – 1º reinado Antíoco IX de Cízico – 115-96 AC (disputa com Antíoco VIII Gripo)
Ptolomeu X Alexandre I – 107-88 AC Seleuco VI Epifânio Nicator – 96-95 AC
  Antíoco X Eusébio Filopator – 95-90 AC
  Demétrio III Eucerus (ou Filopator) – 95-87 AC
  Antíoco XI Epifânio Filadelfo – 95-92 AC
  Filipe I Filadelfo – 95-84/83 AC
Ptolomeu IX Sóter II (88-80 AC) – 2º reinado Antíoco XII Dionísio (Antíoco Epifânio Dionísio – moedas) – 87-84 AC
Ptolomeu XI Alexandre II (80 AC) Tigranes II da Armênia (Tigranes, o Grande) – intervenção – 83-69 AC
Ptolomeu XII (80-51 AC) Seleuco VII Cibiosactes (Filometor) – 83-69 AC (algumas cidades)
  Antíoco XIII Asiático – 69-64 AC
  Pompeu anexou a Síria à República Romana – 64 AC
Cleópatra VII (51-30 AC) Filipe II Filoromaeus – 65-63 AC
Ptolomeu XIII (51-47 AC) – co-regência com a irmã Cleópatra VII  
Intervenção Romana no Egito – Júlio César – 47/46 AC  
Ptolomeu XIV (44-40 AC) – co-regência com a irmã Cleópatra VII  
Ptolomeu XV César (Cesarion = pequeno César – 44-30 AC)**  
Início do Império Romano – 31/29 AC Início do Império Romano – 31/29 AC

* Ptolomeu VII Novo Filometor foi morto pelo tio Ptolomeu VIII Evérgeta II.
** Ptolomeu XV Filopator Filometor César (47-30 AC), mais conhecido como Cesarion (Em grego: Kaisariōn, literalmente ‘pequeno César’; Latim: Caesariō), reinou em co-regência com mãe (Cleópatra VII) desde 44 AC. Ele apenas se manteve no trono como único governante por alguns dias (12-23 de Agosto do ano de 30 AC), após o suicídio de Cleópatra, na época em que sua morte foi decretada por Otaviano, que viria a ser o Imperador César Otaviano Augusto.
*** Seleuco V Filometor foi morto pela mãe, Cleópatra Téia.

Conclusão e aprendizados:

Em relação ao nosso estudo sobre o Período Intertestamentário, podemos dizer que este foi um período de grande treva para a humanidade, com todos os povos vivendo em idolatria e influenciando uns aos outros não apenas com os conceitos religiosos deturpados, mas agravando os padrões morais pecaminosos de muitos séculos: incesto, adultério, guerras sem propósito, assassinatos, disputa pelo trono, ambição, malformações congênitas e outras doenças decorrentes de casamentos consangüíneos e praticamente entre adolescentes sem total maturidade hormonal, uma literatura totalmente voltada ao misticismo, à idolatria e à imoralidade; enfim, todo o tipo de perversão possível de ser encontrada num ser humano devido ao afastamento de Deus por rebeldia à Sua voz através dos profetas. Se Jesus não tivesse nascido naquele exato momento determinado por Deus para nos trazer a Salvação e a Luz, não haveria mais chance de um concerto para o planeta.

Achei interessante em todo este estudo que a sabedoria de Deus e Sua visão do todo estão fora do alcance da nossa compreensão, movendo pessoas e reinos de acordo com o Seu querer e usando profetas como Daniel, que já havia recebido a revelação do que iria acontecer com o seu povo depois do cativeiro babilônico e num futuro distante, como o que nós estamos vivendo hoje.

O que Deus estava pensando ao ver toda aquela violência e procurando ainda por alguns remanescentes fiéis dispostos a fazer Sua vontade e exortar as pessoas a se voltarem para Ele? O que Ele deve sentir hoje, assistindo a mesma violência na humanidade, mas esperando com extrema paciência e misericórdia que os homens percebam seus erros e se arrependam? Ele poderia acabar com o planeta neste momento, se quisesse; entretanto, continua fiel à Sua própria palavra sempre dando aos homens a chance de salvação.

Ao escrever este estudo eu tive minha mente ampliada para perceber o poder de Deus. Aqueles personagens estavam ali como se dentro de um cenário, desempenhando um papel, mas totalmente inconscientes do que acontecia com outras pessoas, com seus inimigos em outro reino ou com seus próprios amigos vivendo longe ou até como prisioneiros de guerra. Em resumo, sem a visão do projeto divino por trás de tudo aquilo. Deus, porém, estava vendo o planeta do lado de fora; ou melhor, de cima, e com total controle sobre o propósito oculto em cada coração. Somos menos do que um grão de areia diante dos Seus olhos, mas, como diz o apóstolo Paulo (2 Co 4: 7-11), tendo um tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.

Outra coisa que eu consegui perceber foi a força que foi empregada na conquista de territórios por parte de todos esses impérios; quantos soldados morreram em batalha para que o nome de um único homem fosse exaltado! Quanto sangue foi derramado! Transportando isso para os nossos dias, começamos a compreender as palavras de Jesus. Seu Reino é maior do que todos os que já existiram, e o nosso inimigo não é mais carne e sangue, mas principados e potestades, as forças espirituais do mal nas regiões celestes (Ef 6: 12), e que também foram enfrentadas por Daniel para que ele recebesse a revelação de Deus (Dn 10: 3; 13; 20-21). Portanto, as nossas promessas já estão disponíveis para nós (Ef 1: 3), o sangue de UM só (o sangue de Jesus) já foi derramado no lugar de muitos, mas cabe a nós pagarmos o preço pela tomada de posse da nossa terra, das nossas promessas (Gl 3: 8b; 11b), do reino que já está preparado para nós desde a fundação do mundo. Por isso, nossos sonhos demoram a se concretizar. É porque estamos numa guerra de posse pelo nosso território, até que possamos colocar nele a marca do nosso senhorio, ou melhor, do senhorio de Jesus sobre ele. O Senhor nos disse para fazermos prevalecer Seu reino na terra. Essa é a nossa missão.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Principal fonte de pesquisa para textos e imagens: wikipedia.org

Este texto se encontra no 1º volume do livro:


livro evangélico: Deus está presente na História

Deus está presente na História vol. 1

Deus está presente na História vol. 2

Deus está presente na História vol. 3

God is present in History vol. 1

God is present in History vol. 2

God is present in History vol. 3


Genealogia das dinastias Ptolomaica e Selêucida (PDF)

Genealogia das dinastias Selêucida e Ptolomaica

Genealogy of Seleucid and Ptolemaic Dynasty

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com