A igreja de Filadélfia era uma das 7 igrejas da Ásia Menor às quais o apóstolo João escreveu suas cartas. Filadélfia sofria muitas oposições, mas permanecia leal a Cristo. Ela necessitava do Espírito de Fortaleza (Is 11: 2) para continuar de pé em face de tantas lutas.


Igreja de Filadélfia




Nota: Esses estudos sobre as sete igrejas da Ásia Menor foram baseados no significado espiritual da Menorá e do texto de Isaías 11: 2.

“Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Estas coisas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá: Conheço as tuas obras – eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar – que tens pouca força, entretanto, guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome. Eis que farei que alguns dos que são da sinagoga de Satanás, desses que a si mesmo se dizem judeus e não são, mas mentem, eis que os farei vir e prostrar-se aos teus pés e conhecer que eu ter amei. Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra. Venho sem demora. Conserva o que tens para que ninguém roube a tua coroa. Ao vencedor, fá-lo-ei uma coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o espírito diz às igrejas” (Ap 3: 7-13).

Filadélfia significa: amor fraternal. Foi fundada no segundo século AC e estava situada num platô interior, fértil, o que explica muito sua prosperidade comercial. Entretanto, era sujeita a terremotos freqüentes (o de 17 DC destruiu a cidade). O povo, então, passou a viver fora da cidade em tendas ao ar livre. Roma recuperou a cidade (ela passou a se chamar Neokaisareia). Vespasiano mudou seu nome para Flávia (por ser o primeiro imperador da dinastia Flaviana). Filadélfia era notável pelo número de templos e festividades religiosas. É a figura da igreja leal a Cristo, por causa da lealdade de Atalo ao fundador da cidade (Eumenes), rei de Pérgamo, seu irmão; por isso, fora chamada de Filadélfia. A região fértil do platô era uma porta aberta para a riqueza da cidade, assim como era dada essa porta aos cristãos, tanto material como espiritualmente falando. Os terremotos simbolizavam a vida inconstante, em contraste com os vencedores que recebem a promessa de estabilidade final de ser parte da edificação do templo de Deus. Filadélfia encontrou oposição por parte dos judeus, como Esmirna. Como a cidade havia mudado várias vezes de nome, os vencedores receberão novos nomes que denotarão sua participação permanente na cidade de Deus. O Senhor também dá a mesma orientação a Filadélfia que deu a outras igrejas: guardar o que tinha e vigiar para não ser roubada. Há uma referência a um novo nome de Cristo não só neste texto como em Ap 2: 17 e Ap 19: 11-12.

A igreja de Filadélfia nos ensina a sermos fiéis a Jesus, como um irmão foi fiel a outro; isso nos faz pensar que além da lealdade ao Senhor, devemos também aprender a ser leais aos irmãos em vez de distorcer a palavra de Deus e dar “corda para o diabo” declarando o versículo: “Maldito o homem que confia no homem”. Por que não ler o versículo todo? “Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor!” (Jr 17: 5). Isso não só tem gerado desconfiança entre os crentes, agravando a que já trazem do mundo, como também dá espaço para o inimigo roubar, matar e destruir através do ódio, da contenda, da discórdia, da traição, da frustração e da decepção. Deus não nos manda colocar nossa confiança na carne humana, mas também não nos proíbe de sermos amigos, nem de termos amigos verdadeiros. Amizade verdadeira não nos aparta do Senhor. No livro de provérbios está escrito que há amigo mais chegado que irmão (Pv 18: 24). Jônatas amou Davi como à sua própria alma e Jesus chamou Abraão e Seus discípulos de amigos (2 Cr 20: 7; Ne 9: 7; Is 41: 8; Tg 2: 23; Jo 15: 14-15). Ainda nos deixou a ordenança: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Onde há amor verdadeiro não há desconfiança, pois quem tem o verdadeiro Espírito de amor de Deus dentro do seu coração não apenas zela pela própria vida, como também zela pelos outros e não dá brecha na carne para o diabo usá-la com traição e outros pensamentos e sentimentos ruins. Somos nós os maiores destruidores de muros, pois é dentro da Igreja onde sofremos as maiores feridas, porque até a palavra destruidora e o sentimento ruim vêm com “unção” (aqui significando força que, ao invés de ser dirigida para o bem, é usada para o mal). Por isso, talvez, os terremotos sofridos por Filadélfia obrigava seus membros a terem uma vida inconstante, o que para nós pode ser bastante verdadeiro do ponto de vista emocional, pois são as emoções do homem o maior alvo de Satanás para trazer destruição. Começa com as oposições “gratuitas” que temos que sofrer sem termos feito nada de errado para merecê-las. Os crentes de Filadélfia sofreram muita oposição dos judeus, creio eu, tanto dos judeus convertidos como dos tradicionais, não apenas por inveja da sua fertilidade, que lhe trazia riqueza material também, quanto da sua postura amigável, disposta a amar e repartir. A maior oposição que Satanás nos faz é ao amor, pois ao barrar esta força, ele barra a nossa vida. Na amargura e na maldição, no egoísmo e na avareza, na mágoa e no ódio não existem fertilidade; quanto mais presença de Deus! Provavelmente, era dentro da própria comunidade que os fiéis a Cristo recebiam mais oposição, tanto é que a promessa do Senhor era de trazer até eles aqueles que os haviam humilhado para reconhecer que Ele os amava. Jesus conhecia que, apesar da sua pouca força, por causa de tamanha hostilidade e instabilidade, eles jamais negaram Seu nome: “Eis que farei que alguns dos que são da sinagoga de Satanás, desses que a si mesmo se dizem judeus e não são, mas mentem, eis que os farei vir e prostrar-se aos teus pés e conhecer que eu ter amei. Porque guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para experimentar os que habitam sobre a terra”. Quem não ama de verdade não conhece a Deus. Por isso, o Senhor fala que traria provação ao mundo para experimentar os que habitam sobre a terra. Sem passar pela grande prova de amor incondicional de Deus será impossível ser coluna no Seu santuário. Não estamos falando de uma transformação da noite para o dia, mas de uma disposição interior de amar, o que requer paciência, pois amar é um exercício contínuo e coloca nosso ego para baixo para que Jesus prevaleça.

Como foi dito anteriormente, em contraste com a vida terrena inconstante, os vencedores recebem a promessa de estabilidade final: de ser parte da edificação do templo de Deus, de onde jamais sairão, assim como receberão novos nomes que denotarão sua participação permanente na cidade santa, Jerusalém, a cidade da paz. Quando crucificamos nossa carne através da entrega e do amor a Jesus, nossa instabilidade se transforma em paz e fortaleza, pois passamos a ser edificados pelo próprio Deus, protegidos dos ataques das oposições carnais, além de termos a honra diante dos que nos humilharam.

A igreja de Filadélfia, diferentemente das outras, foi a única que resistiu fielmente sem deixar entrar em si os falsos ensinos, não compactuando com a prostituição espiritual dos seus conterrâneos e contemporâneos; preferiu ser ferida a revidar ou desistir. Isso lhe garantiu a proteção de Deus. Era conhecida pelo grande número de templos e festividades, mas não há referência à participação dessa igreja nos atos de paganismo ali existentes.

Que relação isso tem com os sete candeeiros de ouro descritos em Ap 1: 12-16 e 20? Vamos ler o texto:

“Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete candeeiros de ouro e, no meio dos candeeiros, um semelhante a filho de homem, com vestes talares e cingido à altura do peito, com uma cinta de ouro. A sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas. Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-lhe uma afiada espada de dois gumes. O seu rosto brilhava como o sol na sua força ... Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas”.

É interessante perceber que a bíblia fala que o Senhor está com as sete estrelas na Sua mão direita, entretanto, se acha entre os sete candeeiros de ouro. Quando falamos das sete estrelas, ou seja, dos sete “anjos” das igrejas, podemos pensar que, mais do que o símbolo de um líder, elas têm o significado de “o espírito” predominante nelas, em outras palavras: a idéia, a força predominante, a índole, a tendência, o pensamento de cada uma delas. Devemos prestar atenção também ao que está escrito: “Tinha na mão direita sete estrelas”, ou seja, a mão direita é símbolo de honra, poder, autoridade, bênção, força e privilégio e isso quer dizer que é o Senhor que segura debaixo da Sua autoridade a liderança da Igreja. Ele detém o poder. Podemos ir mais longe no nosso raciocínio dizendo, então, que as sete estrelas correspondem à parte humana na igreja, detidas pelo poder de Deus e debaixo do Seu governo, ao passo que os sete Espíritos de Deus (Ap 4: 5) correspondem à parte divina, ou seja, às sete unções por Ele derramadas sobre a parte humana para completá-la, para supri-la naquilo que lhe falta. Em outras palavras: cada igreja tem seu componente humano que a faz agir e reagir de uma determinada forma, entretanto, Deus dispôs um dos Seus sete Espíritos (a plenitude das sete características do Espírito Santo) para cada uma delas a fim de que recebam a força espiritual necessária para se levantarem novamente e atingirem a perfeição, desempenhando na terra a sua parcela como membro do Corpo.

O candeeiro do qual a bíblia fala aqui eram candeeiros separados, representando as sete igrejas gentias da Ásia Menor (O Espírito Santo distribuído entre os Gentios), ao passo que o candelabro de uma só haste com sete lâmpadas dado a Moisés em Êx 25: 31-40; Êx 37: 17-24; Nm 8: 1-4, e mencionado em Hb 9: 1-10, representava o Espírito de Deus no meio do povo de Israel. Para fins práticos, é a mesma coisa: a presença do Espírito Santo com poder, unção e avivamento entre os que são Seus escolhidos (Judeus e Gentios).

Para nós que nascemos do Espírito, tudo isso tem um significado. Em primeiro lugar, vamos até Pv 20: 27 onde está escrito: “O espírito do homem é a lâmpada do Senhor, a qual esquadrinha todo o mais íntimo do corpo”. Isso significa que o nosso espírito iluminado pela presença de Deus é capaz de sondar nosso interior e transformá-lo à imagem do Senhor. Em Is 11: 2 o significado dessas sete luzes torna-se bem claro para nós. Isaías profetiza sobre as qualidades do Messias, como se esperaria de um rei, também chamado ‘ungido de Deus’. Por isso, ele começa falando que o Espírito do Senhor repousará sobre Ele (Jesus), o Messias, trazendo também os dons da sabedoria, do entendimento, de conselho, de fortaleza [em algumas versões, está escrito ‘poder’], de conhecimento e de temor do Senhor. O texto diz: “Repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o Espírito de sabedoria e entendimento, o Espírito de conselho e fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do Senhor”. Neste versículo, a palavra ‘conselho’, em Hebraico, `etsah, significa: conselho; por implicação: plano, prudência, deliberação, consideração, ponderação, conselho, conselheiro, propósito.


Candeeiro
Candelabro ou candeeiro
Menorâh ou Menorath (hebraico) Êx 25: 31-39
Nebhrashtâ’ ou Nebrsha’ (aramaico) Dn 5: 5
Luchnos (candeia) ou Lychnia ou Luchnia (velador; candelabro) Mt 5: 15


A Igreja de Filadélfia já tinha experimentado muita instabilidade, em todos os sentidos por causa de tantas forças contrárias sobre ela, entretanto, permanecera firme no Senhor, por isso necessitava demais do Espírito de Fortaleza (Is 11: 2) para continuar de pé, em face de tantas lutas. Filadélfia já tinha realizado grandes obras, mas necessitava caminhar debaixo da força de Deus.

O Espírito de Fortaleza nos dá domínio e convicção da vitória. Onde as nossas forças acabam os recursos de Deus são liberados. A fortaleza (NVI: ‘poder’) nos faz realizar coisas que, no nosso natural, não somos capazes; coisas grandes e ousadas. A fortaleza do Espírito nos envolve como um escudo de proteção e nos firma ‘na Rocha’, como se firma no chão uma árvore com raízes fortes. Ela nos dá determinação, segurança e certeza para prosseguirmos em nossos objetivos.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti


As Igrejas na Ásia Menor
As igrejas na Ásia Menor

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: Mensagem às Sete Igrejas do Apocalipse

Mensagem às Sete Igrejas do Apocalipse

Message to the seven churches of Revelation

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com