Estudo sobre a sorte do ponto de vista bíblico e a origem da expressão mazel tov (mazal tov); o Pur e os amuletos judaicos: Hamsa, Chai (Chay), a Estrela de Davi. A expressão ‘boa sorte’, no sentido de ‘tenha sucesso’, no hebraico é B’hatzlacha.


Mazel tov e sorte




Todo mundo quer ter sorte. Mas, o que é sorte? Ela existe?

No dicionário de língua portuguesa a palavra ‘sorte’ tem os seguintes significados:
• Força que determina ou regula tudo quanto ocorre, e cuja causa se atribui ao acaso das circunstâncias ou a uma suposta predestinação
• Destino, fado, sina
Destino, termo, fim
• Modo de viver; condição social ou material
Acidente da fortuna; casualidade, acaso
• Felicidade, fortuna, dita, ventura, boa estrela, boa sorte
• Adversidade, fatalidade, sorte
• Acontecimento fortuito; casualidade, acaso
Modo de resolver alguma coisa ao acaso; sorteio
• Bilhete ou outra coisa premiada em loteria ou sorteio
Quinhão ou porção que cabe a alguém numa partilha
• Arte ou manobra por meio da qual se pretende influir de modo nefasto ou benfazejo no destino de alguém; sortilégio (bruxaria, maquinação, trama)
Gênero, classe, espécie, tipo
• Modo maneira, forma, jeito
Dar sorte = ter bom êxito num empreendimento, numa atividade, em qualquer coisa, ter sorte, ter sucesso

Assim, nós podemos definir a palavra sorte em grupos:
• A sorte pode ser um sinônimo de: tipos diferentes de coisas, espécies diferentes etc.
• O destino ou o fim de uma coisa ou indivíduo (dependendo de seus atos).
• Um sorteio para definir uma situação, inclusive, uma porção de terra que pode ser dada a várias pessoas, dividida, partilhada.
• Algo que depende do acaso e pode trazer o bem ou o mal, ou como uma coisa supersticiosa que já está predestinada a acontecer, seja por ação de uma força desconhecida, seja por ação de uma manobra de bruxaria.
• ‘Sorte’ pode ser também usada no sentido de ter sucesso em algo, não necessariamente pelo empenho da pessoa, mas como uma ‘energia positiva’ que assume a responsabilidade pela prosperidade de um empreendimento.

No AT é comum se ver a expressão ‘lançaram sortes’, ou a palavra ‘sorte’ (geralmente no plural: sortes). Também são comuns as expressões: ‘repartir em sortes’ ou ‘separar por sorte’. Geralmente, o instrumento para se lançar a sorte eram pequenas pedras lisas, determinando uma porção ou um destino. As palavras hebraicas mais usadas para o verbo lançar são: 1) naphal, geralmente com o sentido de dividir, lançar em sorte, ter em herança, colocar para baixo; ou 2) nathan, que significa: dar, acrescentar, aplicar, nomear, atribuir, conceder, conferir, outorgar, vingar, lançar, distribuir, entre outras coisas. Há também o verbo ‘partir’ ou ‘repartir’ (as vestes, no Sl 22: 18, por exemplo) e cuja palavra em hebraico é chalaq, com o sentido de: repartir ou separar, distribuir, dividir, dar, tirar uma porção.

No caso de ‘sorte’ ou ‘sortes’, a palavra hebraica usada é gowral, proveniente de uma raiz que significa: ser áspero como uma pedra; pedra, ou seja, pequenas pedras sendo usadas para este fim; uma parcela ou destino (como se determinados por sorteio), lote, porção.

Em Et 3: 7 e Et 9: 24 é mencionado o Pur, sortes, que Hamã usou para esmagar e destruir os judeus. A palavra Pur (em hebraico: Puwr; plural: Puriym) significa: ‘a sorte por meio de um pedaço quebrado’. Em outras palavras, Puwr vem de uma raiz primitiva que significa: esmagar, quebrar, reduzir a nada, retirar totalmente. Mas mesmo nestes 2 versículos é utilizada a palavra acima (gowral = sortes), ao lado da palavra Pur.

Assim, no AT (comparando com a bíblia em inglês – ASV = American Standard Version) há 75 versículos com a palavra ‘sorte’ [‘lots’ ou ‘to cast lots’, no sentido de possessão de terra], ‘sortes’, ou com a expressão: ‘lançaram sortes’ (geralmente as 2 palavras vêm juntas), ‘sorte em herança’, ‘repartiu em sorte’, ‘repartiu em herança’ ou ‘parte’ ou ‘porção’: Lv 16: 8; Nm 26: 55-56; Nm 33: 54; Nm 34: 13; Nm 36: 2-3; Dt 4: 19; Dt 32: 9; Js 13: 6; Js 14: 2; Js 15: 1; Js 16: 1; Js 17: 1-2; Js 17: 14; Js 17: 17; Js 18: 6; Js 18: 8; Js 18: 10; Js 18: 11; Js 19: 1; Js 19: 10; Js 19: 17; Js 19: 24; Js 19: 32; Js 19: 40; Js 19: 51; Js 21: 4; Js 21: 5; Js 21: 6; Js 21: 8; Js 21: 10; Js 21: 20; Js 21: 40; Js 23: 4; Jz 1: 3; Jz. 20: 9; 1 Sm 14: 41-42; 1 Cr 6: 54; 1 Cr 6: 61; 1 Cr 6: 63; 1 Cr 6: 65; 1 Cr 16: 18; 1 Cr 24: 5; 1 Cr 24: 31; 1 Cr 25: 8-9; 1 Cr 26: 13-14; Ne 10: 34; Ne 11: 1; Et 3: 7; Et 9: 24; Jó 6: 27; Sl 16: 5; Sl 22: 18; Sl 78: 55; Sl 105: 11; Sl 125: 3; Pv 1: 14; Pv 16: 33; Pv 18: 18; Is 34: 17; Is 57: 6; Jr 13: 25 [será a tua sorte (o fim deles)]; Ez 45: 1; Ez 48: 29; Dn 12: 13; Jl 3: 3; Ob 1: 11; Jn 1: 7; Mq 2: 5; Na 3: 10.

Outros versículos bíblicos usam a palavra sorte, mas no sentido de ‘duas espécies’ ou ‘dois tipos diferentes’ (por exemplo: Dt 25: 14; 1 Cr 24: 5; Pv 1: 13; Jr 15: 3 etc.). Na versão ARA a palavra ‘sorte’ (da ASV – ‘sort’) está traduzida como ‘espécie’, ou ‘espécies’ nos seguintes versículos: Ed 1: 10; Ne 5: 18; Ez 39: 4; Ez 39: 17.

Em todas as referências bíblicas mencionadas acima, lançar pequenas pedras em sorte, ou gravetos de madeira, tinha o objetivo de separar pessoas para determinadas funções, separar animais para o sacrifício, dividir terras por herança, enfim, dividir ou repartir possessões, propriedades ou cargos, e até exterminar vidas, i.e, pessoas (no caso do Pur). Em nenhuma das passagens acima, a bíblia fala de lançar a sorte como um meio de se obter fortuna (riqueza), felicidade, ‘bons fluidos’ ou energia positiva, ou algo ao acaso, como depois foi distorcido pela idolatria. Tampouco era usada como um meio de adivinhação e previsão do futuro. Quando isso acontecia, era por ação de falsos deuses:

• Is 65: 11-12: “Mas a vós outros, os que apartais do Senhor, os que vos esqueceis do meu santo monte, os que preparais mesa para a deusa Fortuna [NVI, Sorte; Fortuna era uma divindade babilônica] e misturais vinho para o deus Destino [em hebraico, a palavra usada é Mniy, transliterado como Meni, um deus pagão, responsável pelo destino, e que agia através de números, como um jogo de números ou jogo de azar], também vos destinarei à espada, e todos vos encurvareis à matança; porquanto chamei, e não respondestes, falei, e não atendestes; mas fizestes o que é mau perante mim e escolhestes aquilo em que eu não tinha prazer”.

• Is 57: 6: “Por entre as pedras lisas dos ribeiros está a tua parte; estas, estas te cairão em sorte; sobre elas também derramas a tua libação e lhes apresentas ofertas de manjares. Contentar-me-ia eu com estas coisas?” Deus estava irado contra a idolatria. Por isso, o Senhor, advertia o Seu povo quanto a não seguir nenhuma prática de ocultismo.

No NT, o lançamento de sorte é mencionado algumas vezes (Mt 27: 35; Mc 15: 24; Lc 23: 34; Jo 19: 24 e Lc 1: 8; At 1: 26; At 8: 21 – nas quatro primeiras vezes em referência aos soldados romanos que repartiram as vestes de Jesus; e nas outras: quando coube por sorte a Zacarias entrar no templo, quando Matias foi escolhido para apóstolo por meio de sortes, e quando Pedro disse a Simão, o mágico, que ele não tinha parte nem sorte no ministério dos apóstolos).

Em todos os textos, a palavra grega usada para sorte é kleros (klêrous), que traz a idéia usar pedaços de madeira ou dados etc. para este propósito, lançados ao acaso, mas na maioria das vezes dando a entender que se tratava de separar uma porção e, por conseguinte, uma aquisição, especialmente um patrimônio: uma herança, um legado, um lote, uma parte. Kleros é proveniente do verbo klao, que significa: dividir, repartir (como, por exemplo, o pão).

Portanto, nós podemos ver que, na bíblia, o significado de sorte se restringe a algum tipo de sorteio para se dividir algo, como o turno de sacerdotes; na maior parte das vezes, uma porção de terra como herança, ou qualquer bem material, ou, então, para decidir uma situação importante (escolha de Matias ou o destino de Jonas, por exemplo – Jn 1: 7).

Mas nós podemos ver também que a palavra ‘sorte’, no dicionário, pode se referir a:
Algo que depende do acaso e pode trazer o bem ou o mal, ou como uma coisa supersticiosa que já está predestinada a acontecer (destino), seja por ação de uma força desconhecida, seja por ação de uma manobra de bruxaria.
• ‘Sorte’ pode ser também usada no sentido de ter sucesso em algo, não necessariamente pelo empenho da pessoa, mas como uma ‘energia positiva’ que assume a responsabilidade pela prosperidade de um empreendimento.

Mazel tov (mazal tov) e sorte

É aqui que entra o nosso comentário a respeito de sorte, do modo que a entendemos e que escrevemos acima e que, infelizmente, muitas pessoas buscam, para ganhar dinheiro, sucesso etc. e, geralmente, ligado à superstição ou ao ocultismo, pois esse tipo de coisa nada tem de respaldo bíblico.

A palavra hebraica para sorte é mazal, geralmente fazendo parte de uma expressão bastante conhecida: ‘mazal tov’. A expressão ‘mazal tov’ ou ‘mazel tov’ (no iídiche – antigo dialeto do alemão medieval) é usada no hebraico moderno para expressar congratulações para qualquer ocasião ou evento significante ou festivo (desde a obtenção de uma carteira de motorista, um aniversário, ou o término de engajamento no serviço militar). Também pode ser dita após uma prova muito difícil ser superada.

A origem da expressão ‘mazel tov’ está na Mishná e no Talmude, sendo que ‘mazzâl’ significa ‘constelação’ ou ‘destino’ ou ainda ‘uma gota do alto’, ou seja, a tradução literal é: ‘uma boa e favorável constelação zodiacal’. Mazal vem da raiz primitiva ‘nazal’ (Strong #5140), que significa: constelação, escorrer, derramado por gotejamento, destilar, gota, inundação, fluxo, jorrar, derreter, despejar, água corrente, riacho. Em hebraico, a palavra para ‘planetas’ é ‘mmazzâloth’, ou ‘Mazzaroth’, para ‘constelações’.

Na bíblia a palavra mmazzâloth está escrita apenas uma vez em 2 Reis 23: 5 [cf. 2 Rs 21: 3; 2 Reis 23: 4; 2 Cr 33: 3 (exército do céu)]: “Também destituiu [o rei Josias destruiu] os sacerdotes que os reis de Judá estabeleceram para incensarem sobre os altos nas cidades de Judá e ao redor de Jerusalém, como também os que incensavam a Baal, ao sol, e à lua, e aos mais planetas [mazzâloth, plural de Mazzalah – Strong #4208, planeta, as constelações, as estrelas do zodíaco], e a todo o exército [Hebraico: tsebhâ] dos céus [NVI: exércitos celestes]”. Exército dos céus [tsebhâ' hashâmâyim] = as constelações, as estrelas do zodíaco.

Embora ‘mazal’ signifique ‘sorte’ ou ‘destino’ ou ainda ‘uma gota do alto’ (‘uma boa e favorável constelação zodiacal’), para os judeus, a expressão ‘mazel tov’ indica que um bom evento ocorreu. Então, para os judeus, a melhor forma de traduzi-la é: ‘Congratulações’, ‘Parabéns’, ‘fico feliz por esta coisa boa que aconteceu a você’, pois para eles ela é diferente de ‘boa sorte’ (‘tenha sucesso’), como nós usamos em Português. A expressão ‘boa sorte’, no sentido de ‘tenha sucesso’, no hebraico é Bhatzlacha.

Para os judeus, segundo a Mishná e o Talmude, as constelações no céu dirigem o destino dos indivíduos e das nações, por isso, o significado literal de ‘mazal tov’ é ‘uma gota do alto’, pois, segundo esse raciocínio, os astros ‘pingam’ sua influência sobre os homens, por isso seu o significado original como ‘destino’, ‘sorte’ (boa ou má). Mais tarde, o destino e a sorte de alguém, determinados pelos astros, foram ligados à fortuna (ou dinheiro). Este sempre foi um deus e as pessoas fizeram de tudo para tê-lo, associando-o à felicidade. Por isso, Deus condenou certas práticas pagãs no meio do Seu povo (Is 65: 11-12, como foi escrito anteriormente).

Está escrito na bíblia: “Guarda-te não levantes os olhos para os céus e, vendo o sol, a lua e as estrelas, a saber, todo o exército dos céus [astros, constelações], sejas seduzido a inclinar-te perante eles e dês culto àqueles, coisas que o Senhor, teu Deus, repartiu a todos os povos debaixo de todos os céus” (Dt 4: 19). Embora no texto Hebraico a palavra para ‘exército’ seja tsebhâ, e não mazzal ou mmazzâloth (‘planetas’) ou mazzaroth (‘constelações’), o sentido é o mesmo: os corpos celestes como um grande exército agrupado, e os quais eram adorados e reverenciados pelos israelitas em todas as épocas. Deus já havia proibido de adorá-los, pois essa atitude era pagã.

Devido ao peso de idolatria envolvido com o significado da palavra ‘mazzal’ seria melhor que outras palavras fossem usadas para dar parabéns ou congratulações.

Assim, não existe destino nem sorte, nem sucesso ou prosperidade da maneira mística e sem esforço, como a humanidade está acostumada; bênção não é uma coincidência ou algo dependente do acaso, muito menos dos astros. O que existe é a vontade de Deus aliada ao livre-arbítrio do homem.

Por isso, são desnecessários os amuletos para trazer sorte (como o chay ou chai, o hamsa, a estrela de Davi, etc.).
• O chai (חי) significa ‘vida’ e enfatiza a importância da vida, e traz boa sorte.
• O hamsa ou hamsá (hebraico: חמסה, em forma de mão; ‘hamsa’ significa cinco, relativo aos cinco dedos da mão) é um amuleto contra mau olhado, para afastar as energias negativas e trazer felicidade, sorte e fortuna. Trata-se de um símbolo da fé judaica e islâmica. É muito popular no Oriente Médio, especialmente no Egito e pode ser encontrada em forma de jóias, azulejos e chaveiros. O Alcorão veta o uso de amuletos, mas a chamsá ou chamsa (em árabe) é facilmente encontrada entre os muçulmanos, que também a chamam de mão de Deus, mão de Fátima, olho de Fátima ou mão de Hamesh. Fátima (Fātimah: 605–632) era a filha preferida de Maomé (Fātimah bint Muhammad). A hamsá também é popular entre os judeus, em especial os sefarditas (da Península Ibérica) e está ligada à Cabala (Doutrina mística e esotérica judaica). Eles escrevem textos como o Shemá Israel (Dt 6: 4-9; Dt 11: 13-21; Nm 15: 37-41) nos hamsás e também os chamam de mão de Miriam (a irmã de Moisés e Aarão); entre os cristãos do Levante (Síria, Líbano, Israel, Jordânia, Palestina, parte da Turquia), também conhecida como mão da Virgem Maria. Hamesh (חמש – significa ‘cinco’) se refere ao termo hebraico ‘Hamesh Megillot or Chomeish Megillos’ (os cinco rolos da Torá ou Pentateuco).
• A explicação para a Estrela de Davi não é proveniente de nenhum relato bíblico a respeito de Davi. É interessante que algumas fontes de pesquisa dizem que a estrela de Davi já existia desde os tempos da Suméria e esteve sempre presente em várias religiões como o Hinduísmo, Budismo, Islamismo, Fé Bahá’í (*), Nova Era, maçonaria e todas as artes de feitiçaria e ocultismo, e até no catolicismo desde o século XVII (guerra dos 30 anos – 1618-1648), quando alguns jesuítas vienenses, a pedido do imperador alemão Fernando III, ofereceram uma bandeira de honra com o mesmo símbolo aos Judeus de Praga (capital da República Checa) por tê-los ajudado. A partir daí ele foi adotado como um símbolo de Israel. Mas o símbolo bíblico de Israel dado por Deus sempre foi a Menorá (o candelabro de sete lâmpadas). O hexagrama (sem o círculo) foi adotado pela Organização Sionista como um símbolo para a bandeira de Israel em 1897, antes do seu uso na Maçonaria. Alguns ocultistas afirmam que esta figura, composta por dois triângulos entrelaçados, um de cabeça para baixo, é um dos símbolos mais poderosos na prática da magia. O hexagrama quando circundado aumenta seu poder e significado. É também conhecido como o ‘Selo de Salomão’ no misticismo cabalístico.

(*) A Fé Bahá’í é uma religião monoteísta fundada por Bahá’u’lláh, um nobre persa que viveu no século XIX. Os seus ensinamentos afirmam que existe um único Deus e que todas as grandes religiões mundiais têm a mesma origem divina.

Os símbolos mencionados acima:


Chai Estrela de Davi Hamsa
Chai = ‘vida’ – para dar boa sorte / Estrela de Davi / Hamsa – contra mau olhado

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: O Senhor quer falar com Seu povo

O Senhor quer falar com Seu povo

The Lord wants to talk to His people

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com