Jó sofreu muito e foi falsamente acusado de pecado pelos seus próprios amigos. O livro de Jó aborda o sofrimento humano e o que acontece fora do nosso conhecimento, mesmo com os que são justos e que, muitas vezes, são incompreendidos até pelos amigos.


Personagens bíblicos – Jó




Textos de referência: Jó 1–42

Resumo:

Jó (hebr. ’iyyôbh = voltando sempre para Deus; hostilizado, que suporta as adversidades) era, segundo a bíblia, um homem íntegro e temente a Deus e que se desviava do mal. Morava na terra de Uz, de localização incerta. Cogita-se ser próxima a Basã (Nordeste de Canaã), perto das fronteiras do deserto que separa os braços leste e oeste do Crescente Fértil. Era uma região de cidades, fazendas e rebanhos migrantes. A terra tinha o nome de Uz, filho de Naor, irmão de Abraão (Gn 22: 21), ou Uz, dos filhos de Seir, o horeu, na terra de Edom (Gn 36: 28), se levarmos em conta a proximidade com os locais de origem dos amigos de Jó e a menção dos sabeus (Jó 1: 15), que habitavam em Sabá, na Arábia Félix, ao sul da Península Arábica.


Crescente Fértil e a terra de Uz


Jó tinha grande riqueza e alta posição social, mas não era rei. Oferecia sacrifícios a Deus em favor dos filhos. Tinha sete filhos e três filhas.

O livro de Jó é um livro que aborda o sofrimento humano e o que acontece fora do nosso conhecimento, mesmo com os que são justos e que, muitas vezes, são incompreendidos até pelos amigos, cuja sabedoria carnal, limitada, também não compreende a razão do seu sofrimento, levando-os a agir de duas maneiras: aceitando sem contestar e ajudando o outro a superar a prova ou agindo como juiz, como foram os amigos de Jó, acusando o irmão de pecado, sem reconhecer sua própria ignorância no assunto. Para a mentalidade da época, quando alguém sofria era sinal da ira de Deus sobre ele por haver pecado; não entendiam os diferentes caminhos do Senhor e que alguém pode sofrer, mesmo não tendo nenhuma condenação divina sobre si. Para Elifaz, Bildade e Zofar o caso de Jó era um caso diferente de tudo o que já tinham visto. Aqui, o que estava em oculto era o ataque de Satanás contra o próprio Deus usando Jó como arma. Mostrou a Deus que Jó era fiel porque tinha tudo; se Ele tirasse dele a Sua mão e todas as coisas que tinha, ele (Satanás) duvidava que Jó continuasse sendo leal.

Assim, Jó perdeu bens e filhos num só dia. A princípio, se conformou com o juízo de Deus e não pecou contra Ele. Não satisfeito com a situação, Satanás exigiu de Deus também a saúde de Jó e Ele permitiu que fosse tocado em seu corpo para ter mais um motivo, no final, para envergonhar o adversário. Deus permitiu todas as coisas para mostrar que a fidelidade entre Ele e Jó não se quebraria nunca nem por coisa alguma.

A bíblia fala dos três amigos de Jó: Elifaz o temanita, Bildade o suíta, Zofar o naamanita e Eliú, filho de Beraquel, o buzita. Temã era filho de Elifaz, o primeiro filho de Esaú e Ada (Gn 36: 11; 1 Cr 1: 36) e talvez tenha dado seu nome ao distrito ao norte de Edom (Jr 49: 20; Ez 25: 13; Am 1: 12; Ob 9). Seus habitantes eram famosos por causa de sua sabedoria (Jr 49: 7; Ob 8 e seg.). Embora a localização exata de Temã permaneça desconhecida, há fortes evidências a favor da cidade Jordaniana de Ma‘ãn. Havia muitas nascentes de água na região, e isso a tornava atraente para as caravanas entre a Península Arábica e o Levante (um termo geográfico que se resume à Síria, Jordânia, Israel, Palestina, Líbano e Chipre). Quanto a Bildade, o suíta, nós podemos dizer que a tribo dos suítas (Gn 25: 2; 6) eram os descendentes de Suá, filhos de Abraão e Quetura, e que habitaram ao oriente, na Arábia Deserta. E os naamatitas localizavam-se nas terras do leste, região de homens sábios (cf. 1 Reis 4: 30). Zofar, o naamatita, pode ter vindo de Naamã, uma área montanhosa no noroeste da Arábia Deserta. Em Jó 32: 2 é mencionado Eliú, filho de Baraquel, o buzita, da família de Rão. É provável que ele fosse descendente de Buz, o 2º filho de Naor, irmão de Abraão (Gn 22: 20-21); ou tivesse vindo da cidade de Buz, mencionada junto com Dedã e Tema (ou Temá; Jr 25: 23), lugares em Edom ou na Iduméia. Quanto a Rão, muito provavelmente se refere a Arã (Gn 22: 21), filho de Quemuel, irmão de Buz, filho de Naor.

Jó amaldiçoou o dia do seu nascimento e sua mulher lhe disse para amaldiçoar a Deus e morrer. A princípio, seus três amigos se sentaram junto com ele para consolá-lo e se condoerem da sua dor; por sete dias e sete noites fizeram isso. Até que seu amigo Elifaz o lembrou que ele era um exemplo para o povo e deveria buscar a Deus.


O sofrimento de Jó


A história continua com os amigos começando acusá-lo, dizendo que seus sofrimentos eram causados por pecado. Ao distorcerem a verdade, só fizeram aumentar sua dor.

A narrativa prossegue numa seqüência quase que interminável de queixas contra Deus e embates de palavras e conhecimentos teológicos entre Jó e seus amigos. Ele ainda mantinha momentos de fé e confiança em Deus, mesmo não entendendo o que estava acontecendo, mesmo se revoltando contra o que acontecia, exigindo uma explicação do Senhor e mesmo sendo acusado falsamente pelos seus amigos de ter pecado. Começou a lembrar do seu primeiro estado feliz e declarou sua integridade. Em nenhum momento, Jó começou a achar que tinha pecado ou culpa de alguma coisa; não se deixou seduzir pelas acusações dos seus amigos, pois sabia como andava diante de Deus.

A partir de certo momento, entra em cena mais um personagem: o jovem Eliú, que repreende tanto Jó quanto os outros três e justifica a Deus tentando explicar todas as Suas atitudes para com os homens. Jó começa a buscar revelação Nele. Depois disso, o Senhor o repreende, o que vai trabalhando sua amargura interior e esclarecendo muitas coisas, terminando por apoiá-lo e repreendendo seus amigos por tê-lo acusado falsamente. Jó os perdoa e intercede por eles. Deus o restitui em dobro tudo o que perdeu. Entretanto, lhe deu o mesmo número de filhos: sete homens e três mulheres. Aparentemente, Jó lidava bem com a riqueza e ela nunca prejudicou seu relacionamento com Deus, por isso o Senhor o restituiu em dobro, materialmente falando. Com isso quis mostrar que os bens materiais podem ser restituídos, mas não os filhos.

A bíblia fala sobre as filhas de Jó, mas não sobre os filhos. Falar das belas filhas de um herói era sinal da bênção divina. Seus nomes eram: Jemima (pombo), símbolo da paz; Quezia (canela), símbolo da restauração das coisas pessoais, não voltar a cometer os erros do passado, temor de Deus e resgate; Quéren-Hapuque (Pükh = brilho de cores, fonte de beleza), símbolo de cor, alegria, vida, luz, entendimento.

Aprendizados importantes com Jó

1) Deus permite tudo por um propósito: Deus permitiu todas as coisas para mostrar a Satanás e aos homens que Sua fidelidade é imutável e que existem filhos Seus que são capazes de suportar tudo para mantê-la também de pé, mesmo não O conhecendo inteiramente ou mesmo tendo uma visão limitada e distorcida a Seu respeito. Também mostra que o relacionamento sincero com Ele jamais pode ser quebrado por coisa alguma. Outra razão para permitir algo pode não ser a que aconteceu com Jó, por causa da reivindicação de Satanás, mas para mostrar aos homens que não conhecem nem entendem todas as coisas; que Ele é o Senhor agindo como quer para manifestar propósitos diversos no meio do Seu povo e para mostrar que Sua criação é infinita e diferente, não se repetindo nunca em nenhum filho Seu. Outra razão é despertar no homem atitudes que podem estar adormecidas como: o amor, a tolerância e o respeito pelos seus semelhantes, deixando o julgamento para Deus. Isso é trabalhar o orgulho, o preconceito e a soberba humana que, muitas vezes, impedem as revelações e o trabalho puro do Espírito.

2) Ouvir falsas sabedorias, acusações e pareceres humanos pode nos levar a interpretar erradamente os motivos de Deus, até que nos viremos contra Ele: uma das estratégias que o diabo usa é a distorção da verdade, buscando tornar Deus mau e ele, bom. Tudo que acontece de mau passa a ser atribuído a Deus e tudo o que traz prazer e alegria passa a ser atribuído ao diabo. Não podemos nos esquecer que o diabo mente; ele é o pai da mentira, como disse Jesus. Só o que importa é sabermos que Ele sabe de todas as coisas e Sua justiça existe, assim como o Seu amor e Sua misericórdia. Jó, até certo ponto, não se deixou impressionar pelas acusações falsas dos amigos sobre ter ele pecado, mas foi influenciado por um sentimento de animosidade contra Deus.

3) Luta solitária contra as evidências apresentadas pelos de fora: Jó se sentiu só diante de todas as evidências contra ele e diante de todas as maneiras de pensar, diferentes da sua; tudo ao seu redor parecia querer provar que todos estavam certos e que ele era o errado. Quando ele se lembrava de exaltar o Senhor, sua força parecia se renovar dentro dele.

4) Abandonar a revolta e as justificativas; buscar a verdade e a revelação de Deus: depois que Jó buscou verdadeiramente a presença de Deus, pôde ouvi-lO e conhecer interiormente o que estava acontecendo com ele. O Senhor não lhe falou sobre Satanás, pois o alvo do inimigo era Ele mesmo, mas revelou a Jó Sua soberania e Sua justiça sobre todas as coisas. Com isso, diminuiu a força do mal dentro dele e exaltou Sua força benigna no coração do Seu filho. Por isso, enchermos nossa mente com as explicações sobre o diabo e sobre o que lhe diz respeito profana nosso templo, pois deixamos de exaltar o nome e o poder de Deus. Não devemos dar ouvidos às explicações dos outros, quando o “dono das explicações” já se encontra dentro de nós. Quando Deus apoiou Jó e repreendeu seus amigos por tê-lo acusado falsamente, restaurou a fé de Jó e o seu relacionamento com Ele. A partir daí, vieram o entendimento e a revelação e Jó pôde declarar que, agora, conhecia o Senhor não só de ouvir falar, mas de vê-lO na Sua essência. Quando a bíblia fala: “Me arrependo e me abomino na cinza e no pó”, quer dizer que Jó estava se retratando de sua falta de conhecimento e sabedoria.

5) Perdão e intercessão completam a cura: quando Jó perdoou seus amigos e intercedeu por eles, sua cura foi completada, pois viu aí a aprovação de Deus recebendo sua oração. Sentiu-se exaltado por Ele.

6) A glória da última casa é maior do que a da primeira: Deus trabalhou a alma e o espírito de Jó e lhe restituiu dobrado, não só o espiritual como o material. Seu conhecimento Dele cresceu, assim como teve, materialmente, mais do que tinha antes. Quando Jó se lembrou do que tinha no passado, jamais poderia imaginar que o Senhor lhe daria muito mais.

7) Bênçãos representadas pelas filhas: Jemima (pombo) simboliza a restituição dobrada da paz sobre sua vida; Quezia (canela) simboliza a restauração das coisas pessoais, não voltar a cometer os erros do passado, temor de Deus e resgate; Quéren-Hapuque (chifre de pintura para olhos, brilho de cores) simboliza que não mais sua vida seria cinza, sem vida, mas colorida com a alegria, a verdadeira vida de Deus, uma visão diferente das coisas e a luz do entendimento divino.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: Curso para ensino bíblico – nível 1

Curso para Ensino Bíblico – nível 1

Biblical Teaching Course – first level

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com