Onde o Jardim do Éden estava situado? Onde estão agora os rios descritos em Gn 2: 10-14: Pisom, Giom, Tigre e Eufrates? Pesquisas científicas confirmam a localização do Jardim do Éden. O Éden foi real.


Localização do Jardim do Éden




Gênesis 2
8 E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, da banda do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado.
9 Do solo fez o Senhor Deus brotar toda sorte de árvores agradáveis à vista e boas para alimento; e também a árvore da vida no meio do jardim e a árvore do conhecimento do bem e do mal.
10 E saía um rio do Éden para regar o jardim e dali se dividia, repartindo-se em quatro braços.
11 O primeiro chama-se Pisom; é o que rodeia a terra de Havilá, onde há ouro.
12 O ouro desta terra é bom; também se encontram lá o bdélio e a pedra de ônix.
13 O segundo rio chama-se Giom; é o que circunda a terra de Cuxe.
14 O nome do terceiro rio é Tigre; é o que corre pelo Oriente da Assíria. E o quarto é o Eufrates.
15 Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar.

Onde o Jardim do Éden estava situado, afinal? Onde estão agora o Pisom e o Giom? E onde estaria o jardim de Éden, se certamente existisse como um lugar geográfico específico? Entre vários locais sugeridos, o jardim tinha sido na Turquia porque o Tigre e o Eufrates atravessam suas montanhas, e porque o monte Ararate, aonde a arca de Noé veio descansar, está lá. Nos últimos cem anos, desde a descoberta das civilizações antigas do atual Iraque, os estudiosos se inclinaram, de maneira geral, para o vale do Tigre e do Eufrates e para os locais da Suméria do sul, aproximadamente cento e cinqüenta milhas (equivalente a mais ou menos duzentos e quarenta e dois quilômetros) ao norte da cabeça do Golfo Pérsico. Suméria era uma das designações dadas à metade sul do Iraque, mais ou menos de Bagdá para o sul, em contraste com o norte, que era conhecido como Acade. Segundo pesquisas arqueológicas, alguns povos se aglomeraram em grupos estabelecidos. Quem eram estes povos? Provavelmente um grupo do sul da Mesopotâmia onde está uma cidade bíblica bastante conhecida: Ur dos caldeus (cidade original de Abraão). Na Arábia Saudita, no final dos anos noventa do século XX, vestígios de seus estabelecimentos, sepulturas e cerâmica foram encontrados. Um indício encontra-se na lingüística; os termos Éden ou Edin aparecem primeiramente na Suméria, a região da Mesopotâmia que produziu a primeira língua escrita do mundo. Isto ocorreu no terceiro milênio AC. Em sumério, a palavra “Éden” significa, simplesmente: “a planície fértil” (em hebraico significa: deleite, lugar de delícias). A palavra Adão existiu também em cuneiforme, significando algo como: “o estabelecimento na planície”. Em hebraico, Adão significa: homem vermelho ou de terra vermelha (‘adhãm = humanidade, que procede da mesma raiz hebraica: ’adhãmã que significa terra, para lembrar o homem de sua origem: Gn 2: 7 e Gn 3: 19). A bíblia é completamente específica sobre os rios. O Tigre e o Eufrates são fáceis de entendermos, porque ainda fluem. O Pisom pode ser identificado na referência bíblica à terra de Havilá, como que relacionado aos locais e aos povos dentro de uma estrutura Mesopotâmico-Arábica. Suportando a evidência bíblica de Havilá, além da evidência geológica na terra, imagens do satélite LANDSAT mostram claramente “um rio fóssil”, que fluiu alguma uma vez da Arábia do norte e através dos leitos agora secos, que os modernos Sauditas e Kuwaitis conhecem como os vales de Rimah e Batin. Mesmo porque a bíblia diz que esta região era rica em bdélio, uma resina aromática que pode ainda ser encontrada na Arábia do Norte, e ouro, que ainda foi minerado na área geral nos anos cinqüenta do século XX. É o Giom, que circundava a terra inteira da Etiópia que foi o problema. Os hebreus se referem à terra de Cuxe e os tradutores do século XVII a relacionaram à Etiópia que está ao sul, na África, o que veio a confundir as investigações anteriores. Atualmente se acredita que o Giom é o rio Karun, que se encontra no Irã (na província de Khuzestão; em árabe transliterado, Khūzestān) e que flui para sudoeste em direção ao golfo atual. O Karun (árabe transliterado, Kārūn) também se mostrou em imagens do LANDSAT como um rio perene, o qual, enquanto esteve represado, contribuiu para a maioria do sedimento que dá forma ao delta na cabeça do golfo persa. Um segundo rio que também pode ter sido o Giom é o Karkheh (ou Karkhen), outro afluente do rio Tigre, no Irã. Assim, o jardim de Éden, na evidência geográfica, deve ter estado em algum lugar na cabeça do golfo em uma hora em que todos os quatro rios juntaram e correram.

Conclusão: o Éden foi real.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti


mapa-Jardim do Éden

Rios Karun e Karkheh-mapa
Mapa da bacia de drenagem do rio Karun, Irã.

Rio Karun, no Irã
Rio Karun na província de Khuzestão, no Irã

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: Curiosidades e Revelações – Gênesis

Curiosidades e Revelações – Gênesis

Curiosities and Revelations – Genesis

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com