Estudo sobre a mulher de Samaria que encontrou Jesus na fonte de Jacó. Ele lhe falou sobre a verdadeira adoração e ela reconheceu nEle o Messias. Tudo em nossa vida é possível de ser reconstruído, quando nos entregamos a Jesus e cremos que só Ele é o Senhor.


A mulher de Samaria


“Quando, pois, o Senhor veio a saber que os fariseus tinham ouvido dizer que ele, Jesus, fazia e batizava mais discípulos que João (se bem que Jesus mesmo não batizava, e sim os seus discípulos), deixou a Judéia, retirando-se outra vez para a Galiléia. E era-lhe necessário atravessar a província de Samaria. Chegou, pois, a uma cidade samaritana, chamada Sicar, perto das terras que Jacó dera a seu filho José. Estava ali a fonte de Jacó. Cansado da viagem, assentara-se Jesus junto à fonte, por volta da hora sexta [meio-dia]. Nisto, veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: dá-me de beber. Pois seus discípulos tinham ido à cidade para comprar alimentos. Então, lhe disse a mulher samaritana: Como, sendo tu, judeu, pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana (porque os judeus não se dão com samaritanos)? Replicou-lhe Jesus: Se conheceras o dom de Deus e quem é o que te pede: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva. Respondeu-lhe ela: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens água viva? És tu, porventura, maior do que Jacó, nosso pai, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu e, bem assim, seus filhos e seu gado? Afirmou-lhe Jesus: Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna. Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la. Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e vem cá; ao que lhe respondeu a mulher: Não tenho marido. Replicou-lhe Jesus: Bem disseste, não tenho marido; porque cinco maridos já tiveste, e esse que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade. Senhor, disse-lhe a mulher, vejo que tu és profeta. Nossos pais adoravam neste monte; vós, entretanto, dizeis que em Jerusalém é o lugar onde se deve adorar. Disse-lhe Jesus: Mulher, podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação vem dos judeus. Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade. Eu sei, respondeu a mulher, que há de vir o Messias, chamado Cristo; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas. Disse-lhe Jesus: Eu o sou, eu que falo contigo. Neste ponto, chegaram os seus discípulos e se admiraram de que estivesse falando com uma mulher; todavia, nenhum lhe disse: Que perguntas? Ou: Por que falas com ela? Quanto à mulher, deixou o seu cântaro, foi à cidade e disse àqueles homens: Vinde comigo e vede um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será este, porventura, o Cristo?! Saíram, pois, da cidade e vieram ter com ele... Muitos samaritanos daquela cidade creram nele, em virtude do testemunho da mulher, que anunciara: Ele me disse tudo quanto tenho feito. Vindo, pois, os samaritanos ter com Jesus, pediam-lhe que permanecesse com eles; e ficou ali dois dias. Muitos outros creram nele, por causa da sua palavra, e diziam à mulher; Já agora não é pelo que disseste que nós cremos; mas porque nós mesmos temos ouvido e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo” (Jo 4: 1-30; 39-42).

Jesus tinha entrado no território de Samaria, diz a bíblia, para retornar para a Galiléia. Samaria era o reino do norte de Israel. Sua capital também se chamava Samaria. Tinha sido construída por Onri, o sétimo rei de Israel, após a divisão do país em dois reinos, que acontecera depois da morte de Salomão. Fora construída em uma colina a onze quilômetros a noroeste de Siquém e dominava as principais rotas comerciais que atravessavam a planície de Esdrelom. Onri adquiriu o local por dois talentos de prata (aproximadamente sessenta e oito quilos), e deu-lhe o nome de seu antigo proprietário, Semer. A colina tinha cem metros de altitude. Era inexpugnável, exceto pelo cerco. Seu nome hebraico, Shõmerôn, pode ser ligado com o vocábulo que significa “posto de vigia”. Foi dominada pelos sírios e depois pelos assírios, caindo em seu poder em 722 AC. Seus habitantes foram deportados, enquanto outros exilados de outras partes do império assírio foram transferidos para lá (mais tarde, caiu nas mãos dos babilônios). Os judeus que continuaram na cidade permaneciam fiéis a YHWH, enquanto outros cultos eram estabelecidos. Depois do exílio, ela foi recolonizada pelos gregos em 331 AC, e depois os romanos a tomaram. Coube a Herodes embelezá-la e recebeu o nome de Sebaste, em Grego (em Latim, Augusta), em honra ao imperador Augusto. Alguns judeus fiéis permaneciam adorando em Jerusalém; os demais adoravam no Monte Gerizim e no Monte Ebal perto de Sicar, a sudeste de Samaria. Portanto, era de gerações o antagonismo entre judeus e samaritanos. Os judeus consideravam os samaritanos como cismáticos (dissidentes, um grupo que se separou da comunidade judaica), e não como gentios (outros povos não judeus), e confiavam neles, por exemplo, no tocante aos dízimos e à impureza oriunda das sepulturas. O principal ponto de discórdia era o templo no Monte Gerizim.

Jesus parou em Sicar e ordenou aos discípulos que fossem comprar comida, enquanto Ele ficaria ali esperando, pois estava um pouco cansado da caminhada. Por volta do meio-dia, sentou-se junto de um poço perto das terras que Jacó dera a seu filho José. Nisto veio uma mulher samaritana tirar água. Foi, então, que começou a conversa entre os dois, levando-a a se conhecer e a conhecer o Messias. O primeiro ensinamento aqui é que Jesus entra em território inimigo, onde há antagonismo, nem que seja para resgatar uma única vida. O Senhor sabia que ali o Pai faria através Dele uma obra não só naquela mulher, mas também nos demais cidadãos, pois ela seria Sua testemunha naquele lugar.

O que acontecia ali era um pouco estranho, pois Jesus, um judeu, parou para conversar com uma mulher samaritana. As mulheres costumavam vir juntas ao poço nas horas mais frescas do dia, ou seja, pela manhã bem cedinho ou no final da tarde. Vinham sempre juntas, mas aquela estava ali sozinha e numa hora completamente imprópria, o que nos faz pensar que era rejeitada pelas outras e até pelos moradores locais. A bíblia não conta detalhes da vida passada dela, a não ser que já tivera cinco maridos. Também não se sabe se era viúva dos cinco ou se tinha separado deles por algum motivo. Talvez, fosse uma mulher destituída de apoio, insegura, que buscara ajuda para sua solidão nos lugares errados e nas pessoas erradas. Ela não tinha dito como tudo começara a “despencar” na sua vida, mas Jesus sabia; talvez tenha, de propósito, feito Seus discípulos irem todos juntos à cidade para comprar alimento, a fim de ficar a sós com ela e resgatá-la daquela vida. O que conseguimos perceber é que seus relacionamentos eram superficiais e insatisfatórios. Mas Jesus podia transformar isso. Ela sentiu o interesse de Jesus por ela e viu que nos Seus olhos não havia preconceito ou acusação. Então, Ele lhe falou sobre a verdadeira adoração. Ela reconheceu que Jesus era o Messias e recebeu um entendimento maior sobre sua própria vida para poder reconstruí-la da maneira correta. Ela voltou correndo à cidade para contar aos cidadãos daquele lugar o que ela havia experimentado através a conversa com Jesus. A bíblia diz que muitos se converteram com o seu testemunho e que outros, ao verem Jesus pessoalmente, também passaram a crer.


A mulher Samaritana

Principais ensinamentos

Com este trecho escrito acima podemos entender que os principais ensinamentos para nós são:
• Jesus conhece totalmente o nosso interior e os motivos reais do nosso coração para termos agido de determinada forma no passado e as nossas motivações atuais para estarmos agindo hoje.
• Sua compaixão pelo nosso sofrimento é real e nos faz abrir totalmente o nosso interior para Ele, pois podemos ter a certeza que Nele não há acusação, mas o perdão, a libertação e a cura verdadeira.
• Tudo em nossa vida é possível de ser reconstruído, quando nos entregamos verdadeiramente a Ele e cremos que só Ele é o Senhor.
• A presença de Jesus nos abre o entendimento, jogando por terra a religiosidade e a idolatria, nos levando a conhecer a real adoração a Deus.
• O Pai procura verdadeiros adoradores, pois a adoração ao Senhor nos coloca diante do trono e nos faz conhecer Seus segredos. Através da adoração, muitas vitórias são conquistadas, pois no altar o inimigo não pode estar e não pode nos tocar.
• O nosso testemunho vivo é fator primordial na conversão sincera de muitas vidas, porque a transformação que ocorreu em nosso interior é visível e inegável. A bíblia diz que muitos se converteram com o seu testemunho e que outros, ao verem Jesus pessoalmente, também passaram a crer.
• Quando somos profundamente curados por Jesus estamos prontos para sermos vasos mais úteis em Suas mãos.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: Ensinos, curas e milagres

Ensinos, curas e milagres

Teachings, healings and miracles

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com