Aprendizados com a história de vida do personagem bíblico Elias, o profeta destemido que venceu os 450 profetas de Baal e desafiou o rei Acabe e Jezabel, destruindo a idolatria em sua nação. Foi arrebatado por Deus num redemoinho.

Lessons from the life story of the biblical character Elijah, the fearless prophet who defeated the 450 prophets of Baal and challenged King Ahab and Jezebel, destroying the idolatry in his nation. He was caught up by God in a whirlwind.


Personagens bíblicos – Elias




Textos de referência: 1 Rs 17–19; 1 Rs 21: 29-40; 2 Rs 1: 1-18; 2 Rs 2: 1-14
Período de exercício profético: 875–848 AC, que abrange os reinados de Acabe, Acazias e Jorão.

Resumo:

Elias [’lïyyâhü e ’elïyyâ, do hebraico; Eleiou (Septuaginta) e Eleias, gr. NT, YHWH é Deus] foi o profeta do reino do Norte.
O local do nascimento de Elias é incerto; a bíblia fala sobre Tisbe, em Gileade, treze quilômetros ao Norte do Ribeiro de Jaboque.
Nesta aula pretendo dar enfoque ao episódio de Elias contra os profetas de Baal, entretanto, falarei sobre todos os episódios importantes do seu ministério:

1) Sua predição de seca e sua fuga subseqüente para a torrente de Querite e para Sarepta.
2) A luta no Monte Carmelo (três anos depois do 1º acontecimento – 1 Rs 18: 1).
3) A fuga para Horebe.
4) O incidente de Nabote.
5) O oráculo de Acazias.
6) Seu arrebatamento.

Quando a bíblia fala das suas lutas contra Baal, se refere a Baal-Melcarte, a divindade oficial protetora de Tiro, que estava ligada à natureza.

Elias veio ao rei Acabe e predisse uma seca. Depois, segundo a orientação do Senhor, fugiu para o lado do Jordão, junto à torrente de Querite. Assim, quando a nação estava com fome e sede, Elias tinha a água da torrente e os corvos lhe traziam alimento (pão e carne), de manhã e ao anoitecer. Com o passar do tempo, por não chover, a torrente também secou. Então, o Senhor enviou Seu profeta a Sarepta, no território de Sidom, fora dos limites de Israel e ali, por milagre, uma viúva o sustentou, pois creu na sua palavra profética de que não faltaria alimento a ele, nem a ela, nem ao filho. Por muito tempo, eles viveram esse milagre (1º) de suprimento de Deus; enquanto isso, a nação morria por seu pecado de ter se afastado do Senhor. Então, o filho da viúva faleceu. Deus usou mais uma vez Seu profeta, que fez o segundo milagre (2º) diante da mulher, ressuscitando-lhe o filho. Ela teve sua fé reforçada no Senhor e creu que a Sua palavra na boca de Elias era verdade. Embora sendo estrangeira, confiou no Deus de Israel.

Três anos depois do início da seca, o Senhor ordenou a Elias que voltasse para Israel e se apresentasse diante de Acabe, pois haveria chuva sobre a terra. Jezabel, mulher do rei, tinha exterminado todos os profetas verdadeiros, mas seu mordomo Obadias, que era temente a Deus, escondeu cem deles e os sustentou com pão e água. Elias se apresentou a Acabe e o mandou ajuntar todo o povo de Israel no Monte Carmelo e os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal, assim como os quatrocentos profetas do poste-ídolo (Aserá). Elias perguntou ao povo em que Deus ele acreditava: se YHWH ou Baal. Propôs um teste oferecendo holocausto sobre o altar; ele de um lado e os quatrocentos e cinqüenta profetas de outro. O deus que respondesse com fogo, esse era o verdadeiro Deus. Fizeram uma vala ao redor do altar e a encheram com água, que também foi derramada sobre os dois novilhos. Os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal invocaram o seu deus até o meio-dia, sem resposta. Elias ordenou que derramassem água três vezes sobre o seu holocausto. Quando invocou o nome do Senhor, caiu fogo do céu e consumiu tudo o que estava sobre o altar, inclusive a água que fora derramada dentro da vala. O povo reconheceu o milagre (3º milagre de Deus usando Elias) e se prostrou diante do Senhor. Elias, então, ordenou que matassem os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal no ribeiro de Quisom. Provavelmente, os outros quatrocentos profetas de Aserá também foram executados por ordem do profeta. Também disse a Acabe para subir no carro porque já viria a chuva. Elias subiu ao cimo do Carmelo e se encurvou com o rosto entre os joelhos; disse ao seu moço para subir mais alto no monte e olhar para o lado do mar. Ele assim o fez por sete vezes. Na sétima vez, o moço viu uma nuvem do tamanho de uma mão de homem. Aí, Elias o mandou avisar Acabe que a chuva viria. Veio um grande temporal como havia previsto o profeta (4º milagre de Deus usando Elias). O rei subiu no carro e foi para Jezreel. A mão do Senhor veio sobre Elias, que correu adiante de Acabe, trinta e dois quilômetros montanha abaixo pela estrada até a entrada de Jezreel (a distância entre o Carmelo e o vale de Jezreel). Era o 5º milagre de Deus através do profeta.

O rei contou a Jezabel tudo o que tinha acontecido e ela mandou um mensageiro a Elias ameaçando-o de morte. Elias, com medo do que tinha ouvido, fugiu para salvar sua vida e se foi para o deserto. Pediu a Deus que o matasse. Vencido pelo cansaço dormiu e, então, um anjo o tocou dizendo para levantar e comer, pois ao seu lado tinham sido postos um pão e uma botija com água. Comeu, bebeu e voltou a dormir. Pela segunda vez, o anjo do Senhor o acordou e lhe ordenou que comesse. Com a força desse alimento, caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe (= seco, deserto), conhecido como ‘O Monte de Deus’. Horebe era a montanha sagrada onde Deus fizera aliança com Moisés. Elias, figuradamente, estava voltando para a própria fonte da fé pela qual ele havia contendido. Ali ele entrou numa caverna onde passou a noite. Deus lhe perguntou o que fazia ali. Elias se justificou falando sobre a sua fidelidade ao Senhor, sobre a idolatria de Israel e sobre a ameaça de morte que Jezabel tinha feito a ele. Estava se sentindo muito só. Deus lhe disse para sair da caverna. Houve um vento forte e um terremoto, depois um fogo, mas o Senhor não estava ali em nada daquilo. Depois de tudo, num barulho suave, como um sussurro, Ele falou ao profeta. Elias se pôs à entrada da caverna com o rosto envolto no manto. Aí, o Senhor lhe perguntou novamente o que estava fazendo naquele lugar. O profeta deu a mesma resposta que tinha dado no início. Então, Deus o mandou voltar para o deserto de Damasco para ungir Hazael rei sobre a Síria no lugar de Ben-Hadade e para ungir a Jeú rei sobre Israel. Eliseu seria separado como profeta em seu lugar. Também lhe revelou que tinha conservado em Israel sete mil pessoas que não se dobraram a Baal (1 Rs 19: 18). Elias partiu e achou Eliseu, filho de Safate (Sefate), que estava lavrando a terra; lançou seu manto sobre ele, mostrando com isso que o estava comissionando para o ministério profético. Eliseu se despediu da família e seguiu Elias.

Ben-Hadade da Síria pelejou contra Acabe; foi derrotado em duas batalhas com um ano de intervalo e foi morto por Hazael (2 Rs 8: 14) que tinha sido um dos homens escolhidos por Deus, além de Jeú e Eliseu (1 Rs 19: 17), para destruir a casa de Acabe.

Depois disso, houve o incidente com Nabote, quando Acabe anexou a vinha do seu súdito aos terrenos do palácio real (1 Rs 21: 19). Segundo o pensamento israelita, a terra possuída por uma família ou clã era entendida como um dom vindo de Deus e todos deveriam respeitar esse direito. Por isso, esse incidente foi considerado uma violação de direito, movendo Elias mais uma vez até Samaria por ordem do Senhor para profetizar a sorte de Acabe, de Jezabel e de sua descendência (1 Rs 21: 17-29). Acazias, filho de Acabe, reinou em seu lugar. Acazias dependeu do deus da vida sírio, Baal-zebul, ou Belzebu (senhor ou mestre, o príncipe), a quem o povo de Deus ridicularizava chamando de Baal-zebube (o senhor das moscas), para saber se viveria ou morreria, pois estava doente por ter caído pelas grades de um quarto alto em Samaria. Elias foi enviado por Deus para repreender o rei e confirmar sua morte. Acazias enviou a Elias duas companhias de soldados, mas Deus usou novamente Seu profeta com fogo do céu, matando cento e dois deles (6º milagre de Deus através de Elias). A terceira tropa foi enviada; então, o Senhor ordenou ao profeta que fosse com eles. Acazias morreu, segundo tinha sido profetizado, e Jorão, seu irmão, reinou em seu lugar, pois Acazias não tinha filhos.

Elias não morreu, mas foi arrebatado por Deus num redemoinho. Antes de cruzar o Jordão feriu as águas com seu manto e o rio se abriu (7º milagre de Elias). Eliseu o sucedeu como profeta de Israel.

Aprendizados importantes com Elias

1) Existe um tempo de Deus para nosso refúgio e para sermos alimentados: Elias tinha feito a predição de seca e Deus sabia que isso iria trazer um período de dificuldade, tanto à sua vida quanto à da nação como um todo, e que Seu profeta precisava estar forte para enfrentar a luta. Por isso, o orientou a sair de Samaria e ir para o Jordão, para a torrente de Querite onde os corvos (simbolizando os anjos do Senhor) o alimentariam e onde ele beberia das águas da torrente. Isso era um privilégio, pois quando os demais israelitas sofriam os efeitos da seca, o ungido de Deus estava suprido. As águas simbolizam a Palavra e o Espírito. Isso para nós quer dizer que quando estamos debaixo da vontade do Senhor para nós, Ele providencia o nosso sustento, mesmo que os demais à nossa volta não o tenham. Em segundo lugar, Ele separa um tempo para que nos fortaleçamos na Sua palavra, nos enchendo do Seu Espírito, para podermos realizar obras maiores depois. Ele envia Seus mensageiros, Seus ungidos (anjos, em hebraico, significa: mensageiros, nome este pelo qual também eram conhecidos os profetas), para nos dessedentar e nos purificar com a Sua palavra. Ele também aumenta em nós a Sua força (pão e carne).

2) Quando algo cessa, é chegada a hora de experimentar o novo: quando a torrente de Querite secou devido à falta de chuva, Deus enviou Elias para Sarepta até a casa da viúva. Elias teria, agora, outra fonte de alimento. Devemos estar sempre livres nas mãos de Deus para sermos levados aonde Ele quer e depender Dele para o nosso sustento.

3) Quando já fomos alimentados pelo Senhor, temos condições de alimentar outras pessoas com a Sua palavra: Elias já tinha sido alimentado por Deus na torrente de Querite. Figuradamente, ele estava cheio do Espírito, por isso estava pronto para transbordar desse Espírito sobre os carentes de vida. Elias foi enviado a uma viúva em Sarepta. Em hebraico, no AT, viúva tinha o significado de silêncio, enquanto, no NT, significa: destituída. Isso quer dizer que aquela mulher estava em “silêncio”, não tinha ouvido ainda a Palavra, portanto, estava “destituída de vida”. O profeta estava sendo enviado pelo Senhor para resgatar aquela alma, além do que Ele também a estaria usando para dar uma lição de fé ao Seu povo, pois ela morava em Sarepta, na Filístia, região fora de Israel; era uma estrangeira, prefigurando o que Jesus veio fazer na terra, trazendo Sua salvação para nós, os gentios. No NT está escrito (At 10: 34-35): “... reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável”. A mulher acreditou na palavra profética liberada por Elias e experimentou o milagre de Deus. Assim como o centurião, cujo servo foi curado por Jesus e foi elogiado por sua fé maior da que a dos israelitas, o testemunho dessa viúva foi um exemplo de fé para Israel, que tinha abandonado a aliança com o seu Deus.

4) Deus é verdadeiro e fiel à Sua palavra; Sua verdade sempre vence a mentira: podemos ver isso quando Deus respondeu à oração de Elias mandando fogo do céu para destruir o altar a Baal, erguido pelos seus profetas. Isso quer dizer que a luz da Palavra vem destruindo toda mentira de Satanás, quebrando as correntes da idolatria e da religiosidade. Jesus disse: “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Essa palavra estava agindo através de Elias, mostrando ao povo quem era o verdadeiro Deus.

5) Crer para ver: quando Elias subiu ao topo do Carmelo e mandou seu moço observar o céu para ver se já vinha a chuva, tanto ele como o rapaz tiveram que crer no milagre antes de vê-lo concretizado. O moço subiu sete vezes; só na sétima é que ele viu uma nuvem tão pequena quanto a mão de um homem. Mais uma vez, teve que exercitar a fé para crer que, de uma nuvem daquele tamanho, poderia se formar uma chuva copiosa. Assim, nós precisamos continuar observando o céu, ou seja, continuar olhando para Deus, até que possamos reconhecer os recursos visíveis que Ele coloca no nosso caminho e que vão se transformar em grandes bênçãos. Jesus disse: “Se fores fiel no pouco, sobre o muito te colocarei”. Isso quer dizer que quando cremos no que o Senhor nos prometeu e no aparentemente pequeno que Ele nos mostra, poderemos vê-lo transformar aquilo em algo grande e abundante.

6) Receber a unção da fortaleza do Senhor nos faz realizar o impossível: Elias recebeu uma unção especial de fortaleza (Is 11: 2) para correr junto com o carro de Acabe e chegar antes dele em Jezreel. Isso significa que, quando Deus nos capacita com a Sua força, podemos realizar o que parece impossível aos homens; na Sua força, podemos realizar algo maior do que a força humana (cavalos) pode realizar.

7) Estar atento ao esgotamento espiritual que pode ocorrer após uma grande batalha: Elias tinha realizado grandes feitos, mas era humano, e seu corpo sentiu os efeitos da guerra espiritual que tinha travado. Por isso, fugiu quando ouviu a ameaça de Jezabel e teve aquela reação semelhante a um quadro depressivo, pedindo a Deus para matá-lo ali mesmo no deserto, debaixo do zimbro. Sua visão, agora humana, estava distorcida pelo cansaço. Quando saímos de uma grande luta espiritual, nosso corpo vai sentir os efeitos da batalha; por isso, devemos estar atentos para não cair no jogo sujo do inimigo, ouvindo suas palavras mentirosas, pois ele é oportunista. Mesmo sabendo que perdeu a luta, vai ainda tentar se valer da nossa fraqueza para roubar de nós o que foi conquistado. Elias não teve uma depressão; sofreu os efeitos do esgotamento físico, emocional e espiritual. Por isso, Deus não brigou com ele nem o criticou, mas enviou Seu anjo para alimentá-lo com pão e água para que pudesse recuperar suas forças e continuar seu ministério. O Senhor também o deixou dormir para se equilibrar novamente.


Elias na caverna


8) Não ter medo de dizer a verdade a Deus, de confessar nossa fraqueza: Elias respondeu a Deus uma “meia-verdade” quando Ele lhe perguntou o que fazia escondido na caverna. O profeta Lhe falou sobre sua fidelidade, sobre a idolatria do povo e sobre a ameaça do inimigo, mas não foi capaz de confessar ao Senhor sua fraqueza, seu medo e sua dúvida naquele momento abalando sua fé. Não devemos dar a Ele respostas ou justificativas religiosas, porém devemos abrir nosso coração, falando com sinceridade; assim, Ele vai corrigir nossos caminhos e nos fortalecer novamente. Vai tirar nossa visão distorcida dos fatos e colocar no lugar a visão correta.

9) Sair da caverna ou sair da tenda para ver o verdadeiro projeto de Deus: o Senhor disse a Elias algo muito parecido com o que disse a Abrão: — “sai da tenda, Abrão”; — “sai da caverna, Elias”. Abrão teve que sair da tenda e olhar para as estrelas e poder entender a promessa divina; teve que sair da sua visão limitada e humana para ter a visão ampla de Deus. Elias, igualmente, estava com sua visão distorcida e embaçada pelo cansaço da luta. Por isso, Deus o mandou sair da caverna para que pudesse ter a visão ampla Dele e do Seu projeto. É interessante lembrar também que esta situação foi semelhante à de Moisés. Elias estava no mesmo monte que Moisés estava quando pediu a Deus para ver Sua glória, pois precisava ter sua fé aumentada. O Senhor o colocou numa fenda da rocha e satisfez seu desejo. Elias estava, igualmente, numa fenda da rocha (símbolo do aconchego do coração de Deus) e tudo o que tinha a fazer era sair da sua limitação para olhar para a manifestação do poder divino e ouvir Sua voz.

10) Deus consola: Ele não precisa de grandes manifestações para aparecer a um filho, nem fala de modo aterrador, nem ameaçador, mas mansa e tranqüilamente. Foi o que aconteceu a Elias, depois que passaram o furacão, o terremoto e o fogo. Veio um cicio suave e nele Deus falou com Seu filho. Ele quer nos falar de maneira consoladora e mansa para que nosso coração possa se acalmar depois de tanta luta e sofrimento, quando a alma parece se amedrontar com qualquer coisa. Sua voz traz restauração, cura e um novo tempo em nossas vidas.

11) Deus preserva os que são Seus; nós não estamos sós: Elias tinha feito algo ousado e desafiador, enfrentando sozinho os profetas de Baal, sem ajuda de mais ninguém a não ser de Deus. Por isso se sentia sozinho em suas convicções. Parecia que ninguém mais pensava como ele. Então, o Senhor o consolou e lhe revelou que ainda havia outros que Ele mesmo havia preservado com vida e que não se tinham dobrado à idolatria. Sete mil em Israel continuavam fiéis à aliança com Ele.

12) As atitudes inusitadas de Deus são para gerar fé no povo: a maneira diferente de Deus de tomar Elias para Si, arrebatando-o num redemoinho, ao invés de tê-lo deixado morrer como qualquer mortal teve o objetivo de gerar fé no coração dos israelitas e evitar também que o túmulo do profeta se tornasse objeto de adoração pagã. Ele fez algo semelhante com Moisés, outro grande homem, que foi sepultado secretamente pelo próprio Deus para evitar a idolatria de Israel. Elias foi símbolo da profecia, e Moisés, também profeta, representou a Lei (cf. a transfiguração de Jesus: Mc 9: 2-8).

Vídeo de ensino

Esse vídeo está em compartilhamento com meu Google Drive. Se estiver assistindo pelo celular, abra com o navegador, em modo paisagem e com tela cheia. Ele é parte do curso bíblico (ver link em dourado no alto das páginas).

Elias

Este texto se encontra no livro:


livro evangélico: Curso para ensino bíblico – nível 1

Curso para Ensino Bíblico – nível 1 (PDF)

Biblical Teaching Course – first level (PDF)


Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

▲ Início  

BRADESCO PIX: relacionamentosearaagape@gmail.com

E-mail: relacionamentosearaagape@gmail.com