Capítulo 3: Isaías continua mostrando o pecado de Judá e de Jerusalém, o juízo de Deus por isso e Seu consolo para os justos. Ele é duro e irônico com as damas da corte da classe alta; ficariam viúvas e trocariam suas vestes ricas por panos de saco e cinzas.


Isaías capítulo 3




Capítulo 3

Julgamento de Judá e de Jerusalém pelo seu pecado – v. 1-4.
• Is 3: 1-4: “Porque eis que o Senhor, o Senhor dos Exércitos, tira de Jerusalém e de Judá o sustento e o apoio, todo sustento de pão e todo sustento de água; o valente, o guerreiro e o juiz; o profeta, o adivinho e o ancião [NVI: ‘a autoridade’]; o capitão de cinqüenta, o respeitável [NVI: ‘o nobre’], o conselheiro, o hábil entre os artífices [NVI: ‘o conhecedor de magia’] e o encantador perito [NVI: ‘o perito em maldições’]. Dar-lhes-ei meninos por príncipes, e crianças governarão sobre eles [NVI: ‘Porei jovens no governo; irresponsáveis dominarão’]”.

Porque eles confiaram em sua abundância e prosperidade, Deus traria seca e fome, ou seja, falta de chuva e esterilidade no campo, para mostrar também Seu poder sobre a natureza; também para privá-los de todos os apoios de sua vida e de seu governo. Talvez possa se cogitar em sítio dos inimigos sobre as cidades, mas ainda não é possível localizar exatamente os eventos históricos a que esta profecia se refere. Deus colocaria pessoas jovens na liderança da nação, jovens não só na idade, mas em experiência de governo, conhecimento e força. Também a NVI diz: ‘irresponsáveis’.

Grande confusão, uma terra sem governo e sem respeito uns pelos outros – v. 5-9.
• Is 3: 5-9: “Entre o povo, oprimem uns aos outros, cada um, ao seu próximo [NVI: ‘O povo oprimirá a si mesmo: homem contra homem, cada um contra o seu próximo’]; o menino se atreverá contra o ancião, e o vil [NVI: ‘o desprezível’], contra o nobre. Quando alguém se chegar a seu irmão e lhe disser, na casa de seu pai: Tu tens roupa, sê nosso príncipe e toma sob teu governo esta ruína [NVI: ‘Você pelo menos tem um manto; seja o nosso governante; assuma o poder sobre este monte de ruínas’]; naquele dia, levantará este a sua voz, dizendo: Não sou médico [NVI: ‘Não tenho remédios’], não há pão em minha casa, nem veste alguma; não me ponhais por príncipe do povo [NVI: ‘não me nomeiem governante do povo’]. Porque Jerusalém está arruinada, e Judá, caída; porquanto a sua língua e as suas obras são contra o Senhor, para desafiarem a sua gloriosa presença. O aspecto do seu rosto testifica contra eles [NVI: ‘O jeito como olham testifica contra eles’]; e, como Sodoma, publicam o seu pecado e não o encobrem. Ai da sua alma! Porque fazem mal a si mesmos”.

Haveria uma grande confusão em Judá e Jerusalém pelo seu pecado; Judá era uma terra sem governo e sem respeito uns pelos outros; e naquele momento ninguém tinha coragem de se voluntariar para liderar o povo ou levá-lo de novo à comunhão com Deus. O pecado de todos estava estampado em suas faces; era patente aos olhos de Deus, principalmente a irreverência: ‘porquanto a sua língua e as suas obras são contra o Senhor, para desafiarem a sua gloriosa presença’.

Paz aos justos, e juízo aos ímpios pelas suas más obras – v. 10-11.
• Is 3: 10-11: “Dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas ações. Ai do perverso! Mal lhe irá; porque a sua paga será o que as suas próprias mãos fizeram”.

Haveria um consolo para os justos, mas juízo aos ímpios como conseqüência dos atos ruins que praticaram.

A opressão e a cobiça dos governantes – v. 12-15.
• Is 3: 12-15: “Os opressores do meu povo são crianças, e mulheres estão à testa do seu governo. Oh! Povo meu! Os que te guiam te enganam e destroem o caminho por onde deves seguir. O Senhor se dispõe para pleitear [NVI: ‘O Senhor toma o seu lugar no tribunal’] e se apresenta para julgar os povos [nota da NVI: ‘O seu povo’, na versão Siríaca]. O Senhor entra em juízo contra os anciãos do seu povo e contra os seus príncipes [NVI: ‘contra as autoridades e contra os líderes do seu povo’]. Vós sois os que consumistes esta vinha; o que roubastes do pobre está em vossa casa. Que há convosco que esmagais o meu povo e moeis a face dos pobres? – diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos”.

Os próprios reis, príncipes e líderes religiosos judaicos eram fracos em matéria de autoridade (‘crianças’ e ‘mulheres’) ou estavam debaixo da influência de suas próprias mulheres para governar a nação. Esses versículos mostram também a cobiça, a ganância e disputa de poder dos governantes civis e dos próprios líderes eclesiásticos, que afastaram o povo de Deus e de Seus verdadeiros caminhos. Eles haviam consumido Israel, mais especificamente, Judá (a ‘vinha’). Roubavam dos mais necessitados e lhes negavam justiça. Por isso, o Senhor entraria em juízo contra as autoridades e contra os líderes do Seu povo. Este era o estado de Judá e Jerusalém debaixo das calamidades que eles mesmos criaram; isso sem falar na enorme idolatria que existia naquela terra, a começar pelo mau exemplo dos reis.

O julgamento das filhas de Sião – v. 16-26.
• Is 3: 16-26: “Diz ainda mais o Senhor: Visto que são altivas as filhas de Sião e andam de pescoço emproado, de olhares impudentes [NVI: ‘que caminham de cabeça erguida, flertando com os olhos’], andam a passos curtos, fazendo tinir os ornamentos de seus pés, o Senhor fará tinhosa a cabeça das filhas de Sião [NVI: ‘o Senhor rapará a cabeça das mulheres de Sião’], o Senhor porá a descoberto as suas vergonhas. Naquele dia, tirará o Senhor o enfeite dos anéis dos tornozelos, e as toucas, e os ornamentos em forma de meia-lua; os pendentes, e os braceletes, e os véus esvoaçantes; os turbantes, as cadeiazinhas para os passos [NVI: ‘as correntinhas de tornozelo’], as cintas [NVI: ‘os cintos’], as caixinhas de perfumes e os amuletos [NVI: ‘os talismãs e os amuletos’]; os sinetes e as jóias pendentes do nariz [NVI: ‘os anéis e os enfeites para o nariz’]; os vestidos de festa, os mantos, os xales e as bolsas; os espelhos, as camisas finíssimas [NVI: ‘as roupas de linho’], os atavios de cabeça e os véus grandes [NVI: ‘as tiaras e os xales’]. Será que em lugar de perfume haverá podridão [NVI: ‘mau cheiro’], e por cinta, corda; em lugar de encrespadura de cabelos, calvície [NVI: ‘em vez de belos penteados, calvície’]; e em lugar de veste suntuosa, cilício [NVI: ‘vestes de lamento’]; e marca de fogo [NVI: ‘cicatrizes’], em lugar de formosura. Os teus homens cairão à espada, e os teus valentes, na guerra [NVI: ‘seus guerreiros morrerão no combate’]. As suas portas chorarão e estarão de luto; Sião, desolada, se assentará em terra”.

Isaías é duro e irônico com as damas da corte da classe alta de Jerusalém. As mulheres que outrora andavam vaidosas e seguras ficarão viúvas e trocarão as vestes ricas por panos de saco e cinzas, pois chorarão por causa do luto. Não se sabe, com certeza, quando esta profecia foi entregue nem quando foi cumprida.

Na Antiguidade, a tristeza interior e o luto eram demonstrados com oração e súplica e com lágrimas. O costume em um luto público (Mq 1: 16; Jr 16: 6) era vestir pano de saco, derramar cinzas sobre si e rapar a cabeça e a barba.

Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

• Principal fonte de pesquisa: Douglas, J.D., O novo dicionário da bíblia, 2ª ed. 1995, Ed. Vida Nova.
• Fonte de pesquisa para algumas imagens: wikipedia.org e crystalinks.com

Sugestão para download:

tabela de profetas AT

Tabela dos profetas (PDF)

Table about the prophets (PDF)


livro evangélico: Profeta, o mensageiro de Deus

Profeta, o mensageiro de Deus

Prophet, the messenger of God


Este texto se encontra no 1º volume do livro:


livro evangélico: O livro do profeta Isaías

O livro do profeta Isaías vol. 1

O livro do profeta Isaías vol. 2

O livro do profeta Isaías vol. 3

The book of prophet Isaiah vol. 1

The book of prophet Isaiah vol. 2

The book of prophet Isaiah vol. 3

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com