Ap 7: 1-17 faz parte da 2ª seção paralela (Cap. 4-7) e relata a visão dos glorificados e dos cento e quarenta e quatro mil selados de Israel. Entre o 6º e o 7º selo há um espaço de tempo, um período de preparação e prelúdio (Ap 7: 1-17 – Ap 8: 1) para as sete trombetas.


O livro de Apocalipse – capítulo 7




Segunda seção – Capítulos 4 –7

Nessa 2ª seção do livro de Apocalipse, João relata as visões do trono de Deus, dos quatro seres viventes e dos vinte e quatro anciãos, a visão do livro selado com sete selos e a do Cordeiro (Ap 4: 1-11 – Ap 5: 1-14), a visão dos glorificados e dos cento e quarenta e quatro mil selados de Israel (Ap 7: 1-17), após as quais lemos acerca dos sete selos (Ap 6: 1-17; Ap 8: 1). Entre o sexto e o sétimo selo há um espaço de tempo, um período de preparação e prelúdio (Ap 7: 1-17 – Ap 8: 1) para as sete trombetas e uma visão se segue a cada uma delas (Ap 8: 2-13 – Ap 9: 1-21; Ap 11: 15-19).

Selos significam: problemas, sofrimento, perseguição, representam o mundo perseguindo a igreja.

O sétimo selo, composto pelos julgamentos prefigurados nas sete trombetas há de ser o mais importante; em outras palavras: as trombetas podem ser vistas como subdivisões do sétimo selo. Mas, antes das trombetas começarem a tocar há um período de silêncio no céu (Ap 8: 1) de meia hora. Não apenas a multidão e os anjos ficam em silêncio, mas Deus também espera para ouvir o clamor do Seu povo (o incensário atirado à terra – Ap 8: 3-5). Há silêncio e súplicas em expectativa ao juízo de Deus ao mundo que perseguiu a igreja. Os céus estão atônitos e em silêncio por causa da gravidade e solenidade.

Capítulo 7

• Ap 7: 1-17 abre a visão da igreja, pois ela entra na posse do reino do Senhor. Ap 7: 16-17 se refere à segunda vinda e o Dia do juízo, onde os santos viverão uma vida de paz com o Senhor eternamente. Nesta parte do texto, João fala dos selados com o selo de Deus, para serem poupados dos juízos Dele (Ap 7: 3).

• Ap 7: 1-3: “Depois disto, vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma. Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar, dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus”.

Os quatro ventos significam que o juízo de Deus é sobre toda a terra (‘quatro cantos da terra’). ‘Ventos’ são símbolos de poderes destrutivos; isso implica que Deus faz distinção entre Seu povo e os ímpios, pois o anjo só vai agir quando os servos de Deus forem selados (Ap 7: 3).

Selo significa: ‘aquilo que é possuído com segurança, algo que está completo, sinal de autenticidade e autoridade, propriedade de alguém ou alguma coisa’. O selo de Deus na fronte dos Seus servos, portanto, significa: proteção, inviolabilidade, propriedade de Deus Pai e do Cordeiro. Os selados jamais apostatam da fé.

Deus livra o Seu povo na tribulação, não da tribulação. A igreja vai passar pela Grande Tribulação, mas será arrancada do meio da tribulação, poupada do Juízo divino na tribulação. Em outras palavras, os selados com o selo de Deus serão poupados dos juízos Dele (Ap 7: 3).

• Ap 7: 4-8: “Então, ouvi o número dos que foram selados, que era cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel: da tribo de Judá foram selados doze mil; da tribo de Rúben, doze mil; da tribo de Gade, doze mil; da tribo de Aser, doze mil; da tribo de Naftali, doze mil; da tribo de Manassés, doze mil; da tribo de Simeão, doze mil; da tribo de Levi, doze mil; da tribo de Issacar, doze mil; da tribo de Zebulom, doze mil; da tribo de José (Efraim), doze mil; da tribo de Benjamim foram selados doze mil”.

Aqui, João menciona os cento e quarenta e quatro mil selados de Israel. O número doze simboliza o número dos propósitos eletivos de Deus; em outras palavras: o número da eleição e do chamado. Cento e quarenta e quatro significa: doze vezes doze. Cento e quarenta e quatro mil significam um número infinitamente grande de salvos para o Senhor; símbolo de totalidade (12x12x1000), referindo-se a todos que serão salvos (no AT e no NT) e dos que serão selados no período da Grande Tribulação (Ap 7: 3; Ap 9: 4 cf. Ez 9: 4-6; Ap 7: 13-14) com o selo do Pai e do Filho, ao invés de terem a marca da besta (Ap 13: 17); portanto, para serem preservados das calamidades que virão. Eles lavaram suas vestiduras no sangue do Cordeiro:


Os glorificados


• Ap 7: 9-17: “Depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos; e clamavam em grande voz dizendo: Ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro, pertence a salvação. Todos os anjos estavam de pé rodeando o trono, os anciãos e os quatro seres viventes, e ante o trono se prostraram sobre o seu rosto, e adoraram a Deus, dizendo: Amém! O louvor, e a glória, e a sabedoria, e as ações de graças, e a honra, e o poder, e a força sejam ao nosso Deus, pelos séculos dos séculos. Amém! Um dos anciãos tomou a palavra, dizendo: Estes, que se vestem de vestiduras brancas, quem são e donde vieram? Respondi-lhe: meu Senhor, tu o sabes. Ele, então, me disse: São estes os que vêm da grande tribulação, lavaram suas vestiduras e as alvejaram no sangue do Cordeiro, razão por que se acham diante do trono de Deus e o servem de dia e de noite no seu santuário; e aquele que se assenta no trono estenderá sobre eles o seu tabernáculo. Jamais terão sede, não cairá sobre eles o sol, nem ardor algum, pois o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima”.

Não há separação entre judeus e gentios nestes textos; todos são salvos da mesma maneira: pela fé em Jesus e pela Sua graça. Por isso está escrito em Ap 5: 9b-10: “porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra”.

Os cento e quarenta e quatro mil pertencem ao Israel espiritual, não ao Israel natural (cf. Gl 6: 14; 16; Rm 2: 28-29; Rm 4: 11). A multidão enumerável é a descendência inumerável prometida a Abraão (Hb 11: 10-12).

O que acontece é que se trata de duas fases da mesma visão da igreja de Cristo, do Israel espiritual de Deus: a primeira fase onde João ‘ouve’ o número dos que serão selados, antes que Deus derrame o sétimo selo (‘ouvi o número dos que foram selados’ – v.4), e que enfrentarão as tribulações. Depois João ‘’, como uma promessa consoladora dada por Deus, essa mesma multidão, já vencedora, resgatada e glorificada, diante do trono do Cordeiro, celebrando a vitória (‘depois destas coisas, vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos’). ‘Palmas nas mãos’ e ‘clamavam em grande voz’ são expressões de vitória.

No terceiro texto (Ap 14: 1-5), João fala dos cento e quarenta e quatro mil separados, remidos, ‘comprados da terra’ (v. 3), como veremos adiante.

Entre o sexto e o sétimo selo há um espaço de tempo (Ap 7: 1-17) e antes do 7º selo há um período de preparação e prelúdio para as sete trombetas (Ap 8: 1).

O sétimo selo, composto dos julgamentos prefigurados nas sete trombetas há de ser o mais importante (Ap 8: 5); em outras palavras: as trombetas são subdivisões do sétimo selo. Mas, antes das trombetas começarem a tocar há um período de silêncio no céu (Ap 8: 1) de meia hora.


silêncio no céu


Não apenas a multidão e os anjos ficam em silêncio, mas Deus também espera para ouvir o clamor do Seu povo (o incensário atirado à terra – Ap 8: 3-5). Há silêncio e súplicas em expectativa ao juízo de Deus ao mundo que perseguiu a igreja. Os céus estão atônitos e em silêncio por causa da gravidade e solenidade.


Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Fontes de pesquisa:
• O Novo Dicionário da Bíblia – J. D. Douglas – edições vida nova, 2ª edição 1995.
• Rev. Hernandes Dias Lopes – Primeira Igreja Presbiteriana de Vitória (‘Estudo em Apocalipse’ – pregações online).
• Wikipedia.org
• Fonte para a maioria das imagens: wikipedia.org; Filme: ‘O Apocalipse’ (‘The Apocalypse’) – Coleção: A Bíblia Sagrada.

Este texto se encontra no livro:


O livro de Apocalipse – livro evangélico

O livro de Apocalipse

▲ Início  

Dízimos e ofertas: BRADESCO PIX: relacionamentosearaagape@gmail.com

OBJETIVO DO MINISTÉRIO

Comentários: relacionamentosearaagape@gmail.com