Em 1 Co 13: 1-13 Deus nos ensina as características do Seu amor. O amor é paciente, é benigno; não arde em ciúmes, não se ufana, regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba. Como colocar o amor em prática?


Estudo sobre 1 Co 13:1-13




“E eu passo a mostrar-vos ainda um caminho sobremodo excelente. Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o bronze (NVI, sino) que soa ou como o címbalo (NVI, prato) que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará. O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará; porque, em parte, conhecemos e, em parte, profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, então, o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino. Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; porém o maior destes é o amor” (1 Co 12: 31; 1 Co 13: 1-13).

Falar sobre o amor hoje em dia parece ser uma coisa bem comum, já que até as músicas do mundo tocam no assunto; por isso, se tornou um assunto extremamente banalizado e distorcido, quando deveria ser algo de muito respeito, pois falar sobre o amor é falar sobre o próprio Deus. Em 1 Jo 4: 8 está escrito que Deus é amor.

Para falar sobre o verdadeiro amor precisamos deixar de lado, em primeiro lugar, as ações distorcidas e doentes do diabo que assumem a roupagem bonita e formosa de amor, mas são formas doentias e malignas de prender o ser humano em cadeias por muitos anos. O amor por ele apresentado é uma forma de mascarar a chantagem emocional, o abuso de poder, os sentimentos piegas (sentimentalismo ridículo), a vontade de dominar ou subjugar o próximo, tirar das pessoas o livre-arbítrio dado por Deus, manipular uns aos outros, colocar o fardo da preocupação sobre os ombros de quem ama e de quem é amado, desproteger uma vida em decorrência da preocupação descontrolada, desejos carnais ou simples atração física, dependências emocionais, ciúme e comportamentos possessivos que geram até impulsos homicidas em grau extremo de descontrole e outras atitudes ruins que só trazem dor e opressão.

Vamos falar do amor planejado e demonstrado pelo próprio Deus através de Seu Filho Jesus.

Em primeiro lugar, o apóstolo Paulo começa dizendo que mesmo que se fale em línguas, se não houver em nós o amor verdadeiro, isso só vai ser ostentação de poder sem ter na verdade um objetivo proveitoso a atingir; seríamos apenas como um sino barulhento que mais irrita os que o ouvem do que produziríamos um som melodioso e agradável. Os que ouviriam a pregação sentiriam logo o vazio dela, pois seria palavra morta, sem a vida do Espírito de Amor do próprio Deus. Falar em línguas neste texto diz respeito ao dom do Espírito de falar em línguas estranhas, ou ‘língua de anjos’ (como Paulo disse acima – 1 Co 13: 1), como ocorreu no dia de Pentecostes com os Apóstolos como um sinal do batismo no Espírito Santo.

Em segundo lugar, ele fala que mesmo profetizando a palavra de Deus, conhecendo os mistérios e a ciência, tendo fé e realizando o impossível, sem o amor não seremos nada. Por isso, Jesus disse nos evangelhos àqueles que no final dos tempos reivindicarem o direito de estar no céu simplesmente por terem feito curas e profetizado em Seu nome: “Apartai-vos, vós os que praticais iniqüidade, nunca vos conheci” (Mt 7: 23), porque sem o traço de semelhança com Ele, não poderemos ser reconhecidos como sendo Seus. O diabo também faz cura e profetiza, mas não sabe amar.

Em terceiro lugar, ainda que distribuamos nossos bens aos pobres e realizemos sacrifícios com nosso próprio corpo como prova de amor, se o AMOR verdadeiro não estiver em nós, nada vai aproveitar. Isso não nos garantirá lugar no céu nem a aprovação de Deus.

Podemos então resumir essas três condições em: não adianta falarmos bonito, não adianta realizarmos milagres em nome Dele nem profetizar Sua palavra, e não adianta praticarmos sacrifício ou boas obras. Nenhuma dessas coisas nos garante recompensa ou participação no reino dos céus. É necessária uma capacitação divina para exercer o amor, que é a própria natureza de Deus. Em primeiro lugar, é preciso ter o Espírito de Deus em nós, não só porque aceitamos Jesus como Senhor e Salvador, mas o batismo do Espírito que nos aperfeiçoará nos Seus dons e frutos, dos quais o amor é o dom primeiro e o imprescindível para que os demais se manifestem e sejam exercidos.

O amor é um conjunto de características descritas nos versículos que se seguem:

1º) O amor é paciente. A grande e primeira característica da presença do amor de Deus em nós é a paciência; paciência para que as coisas aconteçam, paciência conosco e com as pessoas, paciência com as circunstâncias e até com Deus, o que já nos coloca numa situação de humildade diante Dele e dependência da Sua ajuda. Num mundo tão informatizado, mecanizado e tão desesperado e preocupado com a urgência, com a rapidez e com a eficiência, torna-se extremamente difícil a prática do amor verdadeiro porque não temos paciência nem humildade de reconhecer que somos aprendizes em algumas áreas e que é o exercício, o tempo e a prática que nos fazem eficientes naquilo que estamos aprendendo. Um médico não se torna médico em duas semanas na faculdade de medicina, nem sentado apenas numa biblioteca estudando sobre patologia médica (estudo das doenças), mas dentro de um hospital de oito a trinta e seis horas seguidas, às vezes, lidando frente a frente com o lado prático das situações. Um pastor não se torna pastor em três anos de convertido, só porque sabe de cor a palavra de Deus ou porque sabe expulsar demônio. Tanto para lidar com aparelhos, quanto com pessoas, até com plantas e animais, precisamos ter amor, o que implica paciência para esperar a semente frutificar e o ‘filho’ nascer, ou o ‘pai (mãe)’ estar pronto para ser pai (mãe). Por isso, Deus fez o mundo em sete dias para nos mostrar que quando se ama o que gerou e quer fazer perfeito, deve-se ter paciência e meticulosidade, perseverança, persistência e cuidado. A carne humana é impaciente porque vê o tempo cronológico; o espírito é paciente porque enxerga a eternidade, o tempo de Deus.

2º) O amor é benigno. Significa ser bondoso. Benignidade, embora parecido com bondade no seu significado prático, simboliza, mais diretamente, a natureza de ter o bem implantado dentro de si como uma marca. É ter uma natureza voltada ao bem sempre, pensando no bem-estar do semelhante como Deus pensa nos Seus filhos; detestar tudo o que é maligno ou possa causar dano a outrem; rejeitar e se opor à natureza do diabo e do mundo. Ser bom é saber fazer o outro feliz. E fazer o outro feliz implica respeito pelas suas vontades e necessidades. Muitas vezes, queremos dar algo a alguém, entretanto, não nos preocupamos se o que vamos dar vai fazer essa pessoa feliz ou não, porque nem todos os presentes agradam, simplesmente pelo fato de estar implícita aí uma necessidade. Por exemplo, pode ser lindo o vestido ou a peça de decoração que queremos dar à nossa amiga e, com certeza, ela ficaria feliz, pois o preço é caro e o produto é importado. Entretanto, pode ser que um pacote de macarrão dado com amor num momento de extrema dificuldade financeira seja a grande felicidade. Fazer o outro feliz, ser bom com o outro, significa termos sensibilidade para observá-lo, assim como suas necessidades, seus gostos, seus costumes, como Jesus fez com todos aqueles que se aproximaram Dele pedindo algo. Ele poderia simplesmente curar o cego, mas perguntou-lhe primeiro: — “Que queres que eu te faça?” Isso foi, entre muitas outras coisas, um sinal de respeito pelo desejo do outro. É lógico que, como Deus, Ele sabia, mais do que o homem, o que ele necessitava. O cego poderia, simplesmente, ter pedido para Jesus para falar com aquele povo para consertar o teto de sua casa porque, se houvesse goteiras, ele poderia se machucar ao cair. Tenho certeza que se esse fosse o pedido, Jesus lhe concederia com prazer, porém, como Deus que era, mesmo que fosse só esse pedido, Ele o curaria também, porque sabia muito bem o que o faria verdadeiramente feliz. Portanto, exercer o amor é exercer a bondade de Jesus, fazer nosso próximo feliz seja com grandes como com pequenas coisas. Muitas vezes, ser bom não nos faz gastar dinheiro nem tempo; só um beijo ou um bom-dia basta; uma oração no momento do choro de angústia de um irmão é suficiente para trazê-lo novamente ao seu estado de bem-aventurança. A bondade está ligada à compaixão. Uma pessoa não consegue sentir compaixão por aqueles que sofrem algo que para ela é desconhecido. Por isso, Deus nos permite sofrer muitas coisas: para podermos entender o outro e sermos um canal verdadeiro de bênção como Jesus foi. O egoísmo e o não querer se comprometer com o próximo é inato no ser humano. O ensinamento de Jesus é: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei; chorai com os que choram e alegrai-vos com os que se alegram” (Jo 13: 34; Jo 15: 12; Rm 12: 15).

3º) O amor não arde em ciúmes. Em grego, a palavra usada para ‘ciúmes’ é ‘zeloo’ (Strong #2206, ζηλόω), que significa: ter um sentimento ardoroso a favor ou contra; afetar, cobiçar (sinceramente), desejo, desejar, (mexer com) inveja, ser ciumento de, ser zeloso, zelosamente, querer para si. Muitas vezes nos comportamos como crianças imaturas diante de Deus e sentimos ciúmes da aprovação Dele se um irmão fizer algo melhor que nós. Ele nos vê sob outro prisma, Ele olha o nosso coração de outra maneira. Quando Samuel foi enviado para ungir Davi, Deus lhe disse: “O homem vê o exterior, porém o Senhor, o coração”. Não arder em ciúmes significa: ser generoso. Generosidade é dar liberalmente, sem pensar que o que estamos dando nos pertence e é precioso demais para darmos ao outro. Se tivermos ciúmes de algo que nos pertence, fica difícil dá-lo a alguém livremente, porque ficamos pensando naquilo o tempo todo. Assim é com o amor. Se dermos amor a alguém pensando que ele nos pertence, terminaremos com a sensação de que vai ficar faltando e, então, o reivindicaremos de volta para nos suprir. É aí que entra a diferença entre o amor humano e o amor divino. Nascemos como uma visão errada de que amor é algo limitado e que tem uma cota diária para ser usada, por isso amamos de maneira restrita, exigindo de volta o que damos. É o que Paulo fala nas suas epístolas aos Coríntios (2 Co 6: 12): “Não tendes limites em nós; mas estais limitados nos vossos próprios afetos”. Muitos pais incutem esse conceito errôneo nos filhos quando dizem: “Se você for bonzinho, papai lhe dá um brinquedo”, “Se você for uma menina boazinha, mamãe lhe dá um beijo”, ou então, “Olha só o que você fez! Eu odeio você!” Assim, a pessoa carrega esse amor condicional dentro de si por toda a vida e faz qualquer negócio para ganhá-lo; é o que se chama de: ‘a paz a qualquer preço’. Não precisamos sentir ciúmes se outros amam mais do que nós, ou se aquele a quem amamos é mais amado do que nós, ou se quem amamos só pode ser amado por nós e por mais ninguém. Jesus amou a todos na cruz e Seu amor deu e sobrou para todo mundo até hoje. Ele está disponível vinte e quatro horas por dia para quem quiser beber dele há mais de dois mil anos. Não precisamos ter ciúme do amor de Deus por outras pessoas, porque o Seu amor é suficiente para todos nós ao mesmo tempo. O interessante de tudo, a grande chave, é saber encontrar e receber Seu amor; em segundo lugar, aprender a amar como Ele ama: libertando. O amor humano prende, o amor divino liberta. Para encontrar o amor de Deus é fácil: apenas entrar em Sua presença pela oração e com o coração sincero, livre de pecados, sem medo de Sua punição e com a disposição interna de ser como Ele: um doador. Quando aprendermos a nos doar, descobriremos como Deus ama. Muitas pessoas se confundem e querem justificar seu egoísmo dizendo que cada um tem uma maneira própria de amar, o que de fato tem, mas o que está em jogo aqui não é a quantidade ou a forma de manifestação, e sim a qualidade do amor: “Ninguém tem amor maior do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (Jo 15: 13). A qualidade de amor que o Senhor fala aqui é a que Ele deu na cruz: a totalidade do Seu ser em disponibilidade a todos; em outras palavras, o que temos não nos pertence, nos foi dado gratuitamente pela misericórdia e graça de Deus sem o nosso merecimento, portanto, deve estar disponível a quem necessitar disso. O que temos de mais precioso é Sua palavra de salvação.

4º) Não se ufana, não se ensoberbece. Isso quer dizer: humildade. O verdadeiro amor se dá sem pedir condecorações pelo seu ato de doação e bondade. Não se orgulha de ter feito o bem, não fica contando seus feitos para todo mundo, não procura ser visto, mas alegra-se pelo fato de ter exercido o mandamento do Senhor, sabendo que a recompensa vem de cima. Não precisamos de demonstrações exageradas de afeto ou de grandes presentes para dizer que amamos; pelo contrário, o amor é uma semente pequena que precisa ser semeada, adubada e regada todo o dia como um estilo de vida, não como um ato esporádico de benfeitoria. O amor implica em cuidado constante com aquilo que se ama, até com coisas inanimadas como uma casa ou com o templo do Senhor. O ato de amor exige constância e vigilância para que nada cause dano ao que está sendo cuidado. É assim que Deus faz conosco: dia a dia Ele cuida e vigia para que nada nos cause dano (Is 27: 3: “Eu, o Senhor a vigio e a cada momento a regarei; para que ninguém lhe faça dano, de noite e de dia eu cuidarei dela”).

5º) Não se conduz inconvenientemente. Significa: delicadeza, discrição. O verdadeiro amor é delicado, discreto, respeita a vontade, o direito, o descanso, as limitações do outro e procura sempre o melhor momento para se manifestar. Para isso, é necessário desenvolver a sensibilidade. Assim como o Espírito Santo é delicado e procura um momento oportuno para nos falar sem nos expor ao ridículo, devemos fazer o mesmo com aqueles a quem dizemos que amamos, não chamando sua atenção na frente dos outros por pouca coisa ou apenas por um costume, uma ‘brincadeirinha’ que causa mal-estar em todos os que estão à volta. Brincar com a maneira de ser das pessoas, com suas limitações, tiques nervosos ou problemas, principalmente na frente de outros, até na frente de um grande público, não agrada o coração de Deus. Esposos e esposas, pais e filhos, irmãos e irmãs, amigos e amigas, namorados, alunos e professores, patrões e empregados, pastores e ovelhas e assim por diante, todos precisam rever suas atitudes para que a rejeição, a divisão, a inimizade e o ódio desapareçam dos relacionamentos. O amor levanta o caído e o exalta diante dos que o humilharam. Foi o que Jesus fez o tempo todo. Lembre-se da mulher do fluxo de sangue; de Jairo; do centurião; dos leprosos; de Zaqueu; da mulher adúltera que ia ser apedrejada; da mulher que enxugou Seus pés com os cabelos na casa de Simão; da história do filho pródigo; da viúva pobre; das crianças que queriam estar com Ele; de Maria que era criticada por Marta; de Maria Madalena que foi liberta de sete demônios e passou a acompanhá-lo; da mulher samaritana que já tinha tido cinco homens, mas nenhum deles fora seu marido de verdade; dos cegos que foram curados; do ladrão preso na cruz ao Seu lado; do endemoninhado gadareno e outros. Jesus não ridicularizou nenhum deles; pelo contrário, teve sensibilidade para com eles, soube se portar convenientemente; soube amá-los.

6º) Não procura seus interesses. Isso quer dizer: entrega. Quem ama não se preocupa se amar o outro vai dar lucro, retorno, ou não. É saber suprir a necessidade do semelhante sem ver nele um ‘investimento’ para o futuro. Pessoas não são contas poupança que vão dar rendimento posteriormente. Isso se refere a casais, famílias, amigos, relacionamentos com irmãos em Cristo etc. O cuidado mútuo vai ser o resultado de uma semente que se plantou; vai ser um exercício do amor, não uma obrigação sujeita a pena ou julgamento. Se assim fosse, Jesus teria levado uma total desvantagem conosco, pois nenhum de nós, por melhor que façamos, podemos retribuir à altura o que Ele nos deu; nem adianta tentar. O respeito pelo outro não é uma coisa que se compra, vende ou exige, porém, se ganha no dia a dia, dependendo da atitude daquele que o quer. Jesus não precisava exigir respeito; Sua atitude diária por si só já era digna de respeito. Ele amou incondicionalmente, sem procurar Seus próprios interesses, mesmo quando Lhe negavam acolhida. Você se lembra da passagem que Jesus disse: “As raposas têm seus covis e as aves dos céus seus ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”, porque recusaram estadia para ele naquela cidade? – Mt 8: 20. Ele não os amaldiçoou, apenas continuou Seu caminho.

7º) Não se exaspera. Significa: tolerância. Que coisa difícil sermos tolerantes com a lentidão dos outros, com seus hábitos e costumes, até com sua ansiedade e stress, pois muitas vezes, nos afetam e tiram nossa paz de espírito! Às vezes, é difícil até sermos tolerantes conosco, com o nosso próprio crescimento e compreensão das coisas naturais e espirituais. O perfeccionismo que afeta a maioria das pessoas é um reflexo da intolerância em relação às próprias imperfeições, o que acaba gerando uma cobrança nos outros e impedindo o livre fluir do Espírito de Deus. Onde tudo tem que ser perfeito, o Espírito Santo não age, pois o nosso conceito deformado de perfeição é completamente diferente do Seu. Devemos buscar a perfeição, sim, o que nos leva a pensar que devemos buscar a semelhança com Jesus, fazer o melhor que podemos para Ele, para nós e para os outros, mas estando cientes das nossas limitações e sabendo elogiar alguém ou a nós mesmos quando descobrimos que o amor com que algo foi feito esteve acima da neurose humana de atingir a perfeição. Para o Senhor, a perfeição está relacionada a sermos completos, ou seja, é nossa união com Ele que nos torna perfeitos, pois Ele nos completa, preenche nossos espaços vazios e nos supre nas nossas deficiências. A perfeição não é a ausência de pecado; ela indica plenitude, maturidade, exercendo a lei do amor a Deus e aos homens. O Senhor disse a Abraão: “Anda na minha presença e sê perfeito” (Gn 17: 1b). Existe outro versículo que diz: “Porque, se há boa vontade, será aceita conforme o que o homem tem e não segundo o que ele não tem” (2 Co 8: 12). Fazer o melhor que podemos é ser perfeito. Por outro lado, o perfeccionismo é uma forma de rejeição contra nós mesmos e nos torna inflexíveis diante daquilo com que necessitamos ter flexibilidade como, por exemplo, lidar com gente como a gente. O perfeccionismo acarreta jugo e impede o riso, gera formalidade e impede a comunhão verdadeira no Ágape (em grego, o amor de Deus), pois nos sentimos inibidos de sermos nós mesmos. Entristece o coração de Deus, pois tira de nós a humildade e a espontaneidade e dá lugar ao orgulho. Jesus era tão tolerante que suportou a mente fechada e o tradicionalismo dos fariseus julgando Sua sã doutrina; suportou a incompreensão e a arrogância de Pilatos julgando se devia ser solto ou preso. Era tão tolerante que se dispunha a comer com ladrões, bêbados e prostitutas para lhes levar a verdadeira luz. Era tão tolerante que agüentava as mudanças de humor de Pedro. Era tão tolerante que suportava ver Judas como Seu tesoureiro. Era tão tolerante que ouvia as histórias mais compridas e absurdas, quando podia ir direto ao assunto, curar a pessoa de uma vez por todas e sair para fazer outra coisa. É tão tolerante conosco que trabalha por anos a fio na mesma ferida e no mesmo trauma até que estejam perfeitamente curados e estejamos totalmente seguros para enfrentar novos desafios, mesmo quando qualquer psicólogo já desistiu de nós. É tão tolerante que não desiste de nos transformar de ‘pedras brutas’ em ‘cristais lapidados’ ou ‘esculturas’ perfeitas semelhantes a Ele. Que temos a dizer diante disso?

8º) Não se ressente do mal. Significa: inocência, não guardar rancor diante das coisas que nos fazem. Quem ama esquece e perdoa, faz vista grossa diante de certas coisas para não ser ferido. É mais um item das difíceis características do amor, e só por ação divina em nós é que conseguiremos superar as provas da vida. É exercitar, pela fé, o que Davi teve que exercitar na família e diante de Saul. É preferir ser feliz a ter razão. É deixar a justiça na mão de Deus, assim como a escolha de certas circunstâncias para não sofremos mais do que o necessário. Não é fugir do desafio, é simplesmente ter sabedoria e prudência. É fazer o que Davi fez diante da revolta de Absalão e deixar Deus decidir. Amar com inocência é fazer as coisas na simplicidade de uma criança, apenas porque dá prazer em fazer, não porque os outros vão achar adequado ou não. Atualmente somos tão exigentes em tudo, que até na questão do amor queremos julgar as atitudes. Amar sem se ressentir do mal é ser como criança na malícia e viver debaixo das asas protetoras de Deus Pai, ao invés de sermos tão adultos como os homens desejam que sejamos; é fugir das atitudes carnais que trazem peso ao nosso ser.

9º) Não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade. Significa ser sincero, fazer o mesmo que Jesus fez no passado e ainda faz conosco: amar o pecador, mas odiar o pecado. É saber que nós podemos errar, todavia, não precisamos ser coniventes com o erro ou com as coisas que entristecem o coração de Deus. Na verdade, é vivenciar o verdadeiro arrependimento e mostrar esse arrependimento aos que estão no caminho errado, até para que possam gozar a intimidade com o Senhor. Arrepender-se é reconhecer o erro e mudar de atitude. Quando amamos nossos irmãos e as coisas de Deus, também nos importamos se o diabo os está enganando e roubando deles ou através deles as bênçãos divinas ou violando Sua santidade. É, muitas vezes, tomar partido de certas causas por amor à Sua justiça, mesmo nos custando a falta do apoio dos acomodados ou dos covardes; é defender aqueles que não podem se defender e lutar para erradicar a tristeza, trocando-a por um sorriso de satisfação nos lábios de alguém. Em resumo, repetir o que Jesus veio fazer aqui na terra: destruir as obras do diabo. A sinceridade, entretanto, não deve ser uma desculpa da carne para colocar o outro ‘para baixo’ ou minar sua esperança e sua fé, e sim, a sinceridade de mostrar no próprio semblante a aprovação ou a desaprovação com as situações e atitudes que nos afrontam; é exercer a disciplina e a autoridade para preservar a vida de Deus em nós e nos que amamos.


Jesus


O texto continua dizendo que o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. E isso até que veja cumprida a justiça e a verdade de Deus em cada situação.

O capítulo também fala que o amor jamais acaba. Mesmo quando chegarmos à eternidade, onde não mais haverá necessidade de profecias, ou ciência ou o falar em línguas, o amor persistirá, pois é o próprio Deus e Ele é eterno. O segredo é trazer esse amor hoje para dentro de nós e vivermos Sua essência neste momento. Hoje, conhecemos as coisas em parte, como diz Paulo, pois ainda não estamos totalmente imersos em Deus, mas no final dos tempos, quando nos unirmos a Ele e tivermos consciência de Sua verdadeira essência, aí não precisaremos mais das nossas suposições nem das experiências carnais e imperfeitas porque conheceremos, face a face, Aquele que é perfeito.

O texto termina com um comentário interessante de Paulo, confirmando o seu crescimento com Deus, o que lhe trouxe a maturidade e, conseqüentemente, uma visão mais ampla do amor. Ele diz: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino”. A palavra ‘menino’ significa, em grego: ‘infantil, inábil, analfabeto, bobo, inseguro e totalmente dependente dos outros’. ‘Homem’ significa: ‘ter autoridade e comando’. ‘Sentir’ significa: ‘opinião sobre si mesmo’. ‘Pensar’ significa: ‘considerar, avaliar, fantasiar’. ‘Falar’ significa: ‘pregar’. No caso da criança, significa: ‘falar sem saber a verdade da situação, o que os outros esperam que a ela diga ou sinta’. O que Paulo quer explicar é que, quando ele era imaturo em matéria de amor, fantasiava, era inseguro, tinha uma opinião diferente de si mesmo, dependia da informação e da experiência dos outros, dizia o que os outros queriam que ele dissesse ou sentisse, sem saber a verdade da situação. Entretanto, quando a revelação de Deus veio plena sobre ele, passou a ter mais segurança, entendimento e autoridade; o medo foi embora. Além disso, conheceu mais de Deus. Ele continua dizendo que sua caminhada ainda não terminou, porém, conhecerá as coisas como Deus as vê, como Ele o conhece no seu íntimo. A fé, a esperança e o amor não morrem, entretanto, o maior de todos é o amor, pois é o próprio Deus gerando fé e esperança em nós.

O amor não pode ser algo frouxo, displicente, complacente demais com o que não merece, mas firme e forte, muitas vezes, para não permitir que aqueles a quem amamos venham a se perder. É um engano pensar que quem ama é bonzinho sempre e não repreende, pois isso negaria a própria palavra de Deus que diz que Ele é amor, mas também diz que repreende o filho que ama. Se Deus nos deixasse fazer tudo o que a nossa carne quisesse, estaríamos todos no pecado e não salvos. Foi por amor a nós que Ele permitiu a tortura do Seu próprio Filho na cruz. E é por amor a nós que Ele nos disciplina para que não venhamos a perder a salvação. Isso não quer dizer que Ele nos pune com ódio ou violência, e sim que a Sua disciplina é temperada com a misericórdia.

O amor é o dom supremo como está escrito na Palavra, mas também é um fruto do Espírito (Gl 5: 22), ou seja, o exercício do amor gera mais amor; em outras palavras: quando se planta amor, se colhe amor.

Uma dica: Se você não sabe como amar uma determinada pessoa, tente perguntar a ela como ela quer ser amada, como ela se sente amada, de que forma ela vê o amor ou percebe a demonstração do amor de alguém por ela. Você pode se surpreender com a simplicidade da resposta. Talvez ela não esteja sendo tão exigente quanto você está pensando; pelo contrário, sua necessidade pode mais simples do que você possa imaginar.

Nós pouco sabemos do amor verdadeiro, quase nada, por isso devemos pedir a Deus que tire de nós as distorções e coloque a Sua verdade dentro do nosso ser para que ela possa atuar na nossa própria vida e na de outros. Que esse seja o primeiro dom a ser buscado, pois os outros só poderão agir através dele. Tenha certeza de uma coisa: é “lição de casa” para o resto da vida.

• Ter tempo para alguém e se comunicar livremente é uma forma de demonstrar amor.

• Como a fé sem obras é morta (Tg 2: 17), palavras sem amor e sem ações práticas não são nada (1 Co 13: 1-3).

• Quem ama sabe fazer outra pessoa feliz; não nega à outra aquilo que a faz feliz.

• Amar é se mostrar presente e participante; é rir e chorar junto.

• Amor não é sentimento, é atitude de fé, entrega a Deus e coragem para obedecer-Lhe.

• Amor é uma semente que alguém planta, espera germinar, vê crescer e se alegra em colher.

• É uma estrada de mão dupla, onde um vai e outro volta.


Autora: Pastora Tânia Cristina Giachetti

Este texto se encontra nos livros:


livro evangélico: Jamais falte óleo sobre tua cabeça

Jamais falte óleo sobre tua cabeça

Never be lacking oil on your head


livro evangélico: Amor não é sentimento, é atitude

Amor não é sentimento, é atitude

Love is not feeling, is attitude

▲ Início  

relacionamentosearaagape@gmail.com